A Sexta Edição da Jovem Arte Contemporânea: do incentivo às novas poéticas experimentais à inconsistência do discurso crítico

Almerinda da Silva Lopes - Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo


O texto discorre sobre o incentivo dado pela administração de Walter Zanini às práticas experimentais e conceitualistas na sexta edição da Jovem Arte Contemporânea (1972), promovida pelo Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.  A isenção de júri de seleção e de pré-requisitos, e a liberdade de criação concedida aos participantes, se por um lado confirmavam a atualidade do pensamento e a coragem daquele dirigente, por outro, a heterogeneidade, efemeridade e caráter inusitado das propostas encontrariam dificuldade de recepção por parte da retrógrada e agonizante crítica jornalística, que protestaria contra a instituição e os organizadores do evento. 


Palavras-chave


Arte Contemporânea, Crítica de Arte, Experimentalismos, Arte Conceitual, Museus.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24978/mod.v1i1.736

Apontamentos

  • Não há apontamentos.