Apontamentos para pensar as condições de emergência da pedagogia teatral

  • Gilberto Icle Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Teatro, Pedagogia teatral, Improvisação teatral, Diretor-pedagogo.

Resumo

Quais as condições de emergência que possibilitaram a existência, no nosso meio, do que chamamos de pedagogia teatral? Como foi possível esse movimento que circunscreveu espaço suficiente para as práticas do ator – e em grande parte para as práticas e procedimentos teatrais de modo geral – transcenderem o espetáculo e serem usadas em distintos ambientes e com distintos propósitos. Algumas dessas condições não partiram de espetáculos exemplares para a pedagogia, mas da situação pedagógica, na forma de laboratório – do qual emanaram conhecimentos teatrais suficientes para as mudanças pretendidas, para o espetáculo, e também, como condições para a existência do que conhecemos como pedagogia teatral. Isso, entretanto, não configura um abandono do espetáculo, mas a sua inclusão, como já sinalizada, em contextos e com propósitos bem distintos.

Referências

ASLAN, Odete. O ator no século XX. São Paulo: Perspectiva, 1994.

BROOK, Peter. A porta aberta. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. CRUCIANI, Fabrizio. Registi pedagogui ecomunità teatrali nel novecento. Roma: editori associati, 1995.

LEABHART, Thomas. Modern and pós-modern mime. Londres: Macmillan, 1989.

RUFFINI, Franco. Stanislavski e o “teatro laboratório”. Revista da FUNDARTE. Montenegro. Fundarte. Vol. IV, n. 08, p.04-15, jul./dez. 2004.

TOPORKOV, Vasily O. Stanislavski in Rehearsal. New York: Arts Books, 1979.

Publicado
2018-04-27