Quem te ensinou a dançar? A composição em dança e a poética da benzeção

Bianca Bazzo Rodrigues, Karenine de Oliveira Porpino

Resumo


O artigo apresenta o trabalho de composição em dança de uma artistapesquisadora
que se alimenta, em seus desdobramentos artísticos, da poética encontrada no universo popular da benzeção. Benzedeiras e benzedores de nosso contexto popular que através de suas rezas, orações, objetos e gestualidades curam os desconfortos físicos e emocionais do doente - é desse manancial de repertório que a artista o ressignifica para a cena artística. O trabalho cria uma metáfora metodológica, a partir dos estudos de Lévi-Strauss (1989) sobre a necessidade da existência de um espaço triangular para o funcionamento das práticas simbólicas nas sociedades tradicionais –
vislumbrada na estreita dependência entre o doente, o feiticeiro e a sociedade.
O artigo dá a cena a essas poéticas do benzimento, no reconhecimento do espaço triangular no campo de atuação. Acredita-se que a extensão e criação de outros espaços triangulares voltados à criação em dança aqui investigada, gera o reconhecimento ante ao outro, do olhar para dentro, do dançar para fora, proposta essencial para a prática artística aqui investida.

Palavras-chave


Dança; Composição Artística; Benzeção; Saberes Populares.

Texto completo:

PDF

Referências


LÉVI – STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural. São Paulo. Ed. Nacional,

MACHADO, Lara Rodrigues. O Jogo da Construção Poética: processo criativo em dança. 2007. Tese (Doutorado em Artes) – Instituto de Artes,

Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

OLIVEIRA, Elda Rizzo de. O que é benzeção. São Paulo: Brasiliense, 1985.

RODRIGUES, Graziela. Bailarino-Pesquisador-Intéprete: processo de criação. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio