Espiral em Eixos: a construção de uma metodologia

Lilian Vilela

Resumo


A presente comunicação pretende apresentar a metodologia para o ensino de dança criada pela autora para o SESI-SP e seus fundamentos de concepção. A metodologia foi denominada Espiral em Eixos, que abrange respectivamente: o corpo e sua dança no mundo.
A metodologia traz como símbolo, as espirais que se fundem formando uma continuidade, infinitamente em movimento. A espiral, como caminho do fazer dança, encontra-se estruturada em dois eixos conectados entre si. O Eixo 1 (ABC: Bases técnicas com consciência corporal) trata de aulas que se estruturam nas bases técnicas do movimento e conhecimento corporal, em uma conexão para dentro, da dança para o corpo. O Eixo 2 (CDE: Criatividade e Diálogo através da experiência) trata de aulas que se estruturam nos jogos de criação e nas experiências de relação da dança com o ambiente, uma conexão para fora, da dança para o mundo.
As espirais sugerem que os temas de movimento, criação e as experiências vividas se desloquem a todo instante como pulso rítmico do ser dançante, de olhar para o corpo em movimento e abrir-se para olhar o ambiente circundante, voltar-se a si e conectar-se ao mundo. Após um ano de trabalho junto à instituição, com diagnósticos, visitas e trabalhos com os professores de dança. A metodologia será
implementada no próximo ano, por diversos professores do SESI-SP, em unidades espalhadas pelo estado de São Paulo, atingindo diretamente mais de dois mil alunos de dança, com idade entre seis e quinze anos.

Palavras-chave


Metodologia; Dança; Ensino de dança.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBANO, Ana A., Tuneu, Tarsila e outros mestres: o aprendizado da arte

como um rito da iniciação. São Paulo: Plexus Editora, 1998.

BARBOSA, Ana Mae. Ensino da arte: memória e história. São Paulo:

Perspectiva, 2008.

BARBOSA, Ana Mae e CUNHA, Fernanda P. (orgs.) Abordagem triangular no

ensino das artes e culturas visuais. São Paulo: Ed. Cortez, 2010.

BATALHA, Ana Paula. Metodologia do ensino da dança. Lisboa: Faculdade

de Motricidade Humana Edições, 2004.

CUNHA, Newton. Dicionário SESC: A linguagem da cultura. São Paulo:

Perspectiva: SESC São Paulo, 2003.

Diretrizes técnicas e de gestão: SESI Atleta do futuro. Serviço Social da

Indústria. Departamento Nacional. Brasília, 2010.

FILHO, Lino Castellani e coletivo de autores. Metodologia do ensino de

Educação Física. São Paulo: Ed. Cortez, 2ª edição, 2009.

FREIRE, João Batista. O jogo: entre o riso e o choro. Campinas: Autores

Associados, 2ª edição, 2005.

LABAN, Rudolf. Dança Educativa Moderna. São Paulo: Ícone Editora, 1990.

LOPES, Joana. Coreodramaturgia: Uma dramaturgia para a dança. 2ª ed.

Santos, SP: Comunicar Editora, 2007.

MARQUES, Isabel. Ensino de dança hoje. Textos e Contextos. São Paulo,

Ed. Cortez, 2011.

MILLER, Jussara. A Escuta do corpo: Sistematização da técnica Klauss

Vianna. São Paulo: Summus editorial, 2007.

OSTROWER, Faya. Criatividade e processos de criação. São Paulo: Editora

Vozes, 2009.

RENGEL, Lenira, Os temas de Movimento de Rudolf Laban (I– II- III- IV- VVI-VII- VIII): modos de aplicação e referências, São Paulo: Annablume,

SOTER, Silvia. A educação somática e o ensino da dança in Lições de

Dança 1. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, s/d.

SPURGEON, David. Dance ‘till you drop! Sydney: Red Fox. A Mark Macleod

Book, 1998.

TADRA, Débora et al. Linguagem da dança. Curitiba: Editora IBPEX, 2008.

TOMAZZONI, A., WOSNIAK, C., MARINHO,N.(org.) Algumas perguntas

sobre dança e educação. Joinville: Nova Letra Editora, 2010.

VIGOTSKI, Lev S. Imaginação e criação na infância: Livro para professores; apresentação e comentários de Ana Luiza Smolka. São Paulo: Ática, 2009.

VILELA, Lilian F. Uma vida em dança. São Paulo: Editora Annablume, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio