A voz do corpo-fé na construção da discursividade do ator

Aline Nunes Oliveira, Mario Alberto de Santana

Resumo


Esta investigação quer refletir a respeito da discursividade do ator
em cena a partir do conceito de Dialogia do filósofo M. Bakhtin. Segundo esta
óptica, toda palavra enunciada em cena tem uma componente gestual e
entonacional, além da verbal. Da interação destas componentes é que nasce
o sentido do enunciado, e o que chamaremos de “palavra-corpo”. Assim
como em Bakhtin, esta pesquisa considera discurso como o resultado da
interação dialógica de “vozes”. Deste modo, as principais vozes que
constituem a palavra-corpo, são: a voz do corpo-matéria, do corpoimaginário,
do corpo-ideológico e do corpo-fé. Observaremos as influências
da voz do corpo-fé na palavra-corpo. Analisaremos como essa voz, ligada ao
conhecimento intuitivo, se relaciona com as outras vozes constituindo a
faceta mais orgânica, mais "ancestral" e "irracional" da comunicação dos
enunciados no teatro.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes,

a.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do Ato Responsável. São Paulo: Pedro

e João, 2010b.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento, o

contexto de François Rabelais. São Paulo- Brasília: HUCITEC, 1999.

GUERIOS, Rosário Farani Mansur. Dicionário de etimologias da língua

portuguesa. Curitiba: Companhia Editora Nacional: Editora da Universidade Federal do Paraná, 1979.

RILKE, R. M. Cartas a um jovem poeta. Rio de Janeiro: Globo, 1984.

SANTAELLA, L. Matrizes da Linguagem e Pensamento – Sonora/ Visual/

Verbal. SP: Iluminuras, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio