Leopoldo Fróes: a influência lusitana no modo de atuar brasileiro do início do século XX

Angela de Castro Reis

Resumo


Nascido em Niterói, Leopoldo Fróes (1882-1832) iniciou sua carreira em 1903, em
Portugal. Voltando ao Brasil em 1914, ascendeu profissionalmente graças à associação com
a atriz Lucília Peres, com quem formou sua primeira empresa e graças à qual foi revelado
como grande ator de comédia. A partir de Flores da Sombra (1917), de Cláudio de Sousa, a
até meados dos anos 20, Leopoldo Fróes firmou-se como o mais importante ator e
empresário brasileiro.
A colaboração com elencos portugueses, “o sotaque, a boa colocação dos pronomes, a
maneira de vestir e a nostalgia” fizeram com que Fróes fosse considerado por Alcântara
Machado “mais ator português que brasileiro”. Sua carreira é um expressivo exemplo da
intensa e persistente presença portuguesa nos palcos e no modo de atuar de atores
brasileiros.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Tania. A máquina de repetir e a fábrica de estrelas: Teatro dos Sete. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2002.

FRÓES, Iris. Leopoldo Fróes; biografia romanceada em três atos. Rio de Janeiro: SNT,1960.

HEINICH, Nathalie. La gloire de Van Gogh : essai d'anthropologie de l'admiration. Paris : Éditions de Minuit, 1991.

JACQUES, Mário. Onde param os actores nas histórias de teatro? In: JACQUES, Mário, HEITOR, Silva. O actores na toponímia de Lisboa. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, s/d, p.15-27.

MACHADO, Alcântara. Leopoldo Fróes. In: Revista Nova, São Paulo, ano 2, n.7, 1932. MAGALHÃES JÚNIOR, Raimundo. As mil e uma vidas de Leopoldo Fróes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

MENCARELLI, Fernando Antonio. A voz e a partitura: teatro musical, indústria e diversidade cultural no Rio de Janeiro (1868-1908). Campinas, 2003. Tese (Doutorado) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, UNICAMP, 2003.

PRADO, Décio de Almeida. João Caetano: o ator, o empresário, o repertório. São Paulo: Perspectiva, EDUSP, 1972.

________. Procópio Ferreira: um pouco da prática e um pouco da teoria. In: Peças, pessoas, personagens; o teatro brasileiro de Procópio Ferreira a Cacilda Becker. São Paulo, Companhia das Letras, 1993a.

________. Teatro de Anchieta a Alencar. São Paulo: Perspectiva, 1993b.

________. O teatro brasileiro moderno. 2a edição. São Paulo: Perspectiva, 1996.

RABETTI, Beti. Subsídios para a história do ator no Brasil: pontuações em torno do lugar ocupado pelo modo de interpretar de Dulcina de Morais entre tradição popular e projeto moderno. In: Revista do Lume. Campinas: COCEN – UNICAMP, agosto de 1999, p. 31-55. (n. 2)

REIS, Angela de Castro. Ao encontro de Magalhães Júnior: análise de uma escrita biográfica. Texto apresentado na IX Semana de Debates Científicos da UNI-RIO, outubro de 1995. Texto digitado.

________. A influência portuguesa no modo de atuação brasileiro: Eva Todor na Companhia Eva e seus artistas (1940-1963) Anais do II Congresso Brasileiro de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas, Salvador, 08 a 11 de outubro de 2001. – Salvador: Associação Brasileira de Pesquisa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – ABRACE, 2002. (Memória ABRACE V), p. 259-264.

________. A tradição viva em cena: Eva Todor na Companhia Eva e seus artistas (1940- 1963). Porto Alegre: Editora da Cidade, 2007.

SOUSA, Galante de. O teatro no Brasil. Rio de Janeiro: INL, 1960. 2v.

TORRES NETO, Walter Lima. Introdução histórica: o ensaiador, o diretor e o encenador. Folhetim. Rio de Janeiro, Teatro do Pequeno Gesto, no9, p. 60-71, jan-abr. 2001.

TROTTA, Rosyane. O teatro brasileiro: décadas de 1920-1930. In: O teatro através da história. Rio de Janeiro: CCBB; Entourage Produções Artísticas, c.1994. p.111-137.

WERNECK, Maria Helena. Entre mares e palcos: notas sobre Esther Leão (1892-1971), uma portuguesa no teatro brasileiro. Texto apresentado no VIII Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas. Universidade de Santiago de Compostela, julho de 2005. Texto digitado.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio