Edson Claro e o grupo de dança casa forte de São Paulo

Marcilio de Souza Vieira

Resumo


Essa escrita apresenta uma reflexão/síntese da trajetória de Edson Claro frente ao extinto Grupo Casa Forte da cidade de São Paulo. Trata-se do registro (fragmentado) da memória da dança desse grupo em um processo de visitação à dança feita e produzida pelos seus integrantes e coreógrafos convidados quando da direção artística de Edson Claro. Apresenta uma reflexão das poéticas, práticas e interfaces da dança de Edson Claro com o citado grupo, a partir da qual se passa a incidir sobre memórias de dança. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa sob o viés da análise do discurso. A pesquisa se propôs a compreender a história das memórias da dança do Grupo Casa Forte por meio de falas, entrevistas, reportagens de jornais, programas de espetáculos e posicionamentos dos profissionais da área sobre a dança desse grupo. A pesquisa, dessa forma, torna-se relevante para o meio acadêmico artístico uma vez que os escritos sobre memória de dança no país ainda em construção. Este estudo, portanto, evidencia uma narrativa da memória sobre a contribuição de Edson Claro a dança por ele empreendida em São Paulo em especial no Grupo Casa Forte, que se constrói sobre a experiência estética que se dá na reciprocidade entre o pesquisador e seu objeto de estudo.


Palavras-chave


Dança. Memória. Grupo de dança casa forte.

Texto completo:

PDF

Referências


BURKE, Peter (Org). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da UNESP, 1992.

CERTEAU, Michel de. A escrita da História. 2. ed. Trad. Maria de Lourdes

Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

CLARO, Edson. Método dança-educação física: uma reflexão sobre consciência corporal e profissional. São Paulo: Robe Editorial, 1995.

KATZ, Helena. Tudo bem no 'Casa Forte', só falta um coreógrafo. Folha de São Paulo, 18.10.1979.

KATZ, Helena. Pelo movimento como forma de expressão. Folha de São Paulo, 1981.

KATZ, Helena. Flor de lótus, uma colagem de movimentos. Folha de São Paulo, 1982.

MARQUES, Isabel. Ensino de dança hoje: textos e contextos. São Paulo:

Cortez, 2ª edição, 2001.

NAVAS, Cássia. Dança Brasileira, no final do século XX. In: A linguagem da cultura. Dicionário SESC. São Paulo: Perspectiva, 2003.

ORLANDI, Eni P. Análise do Discurso: Princípios & Procedimentos. 4ª ed.

Campinas, SP: Pontes, 2002.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo:

Editora 34, 2009.

REIS, Daniela. Ballet Stagium e o debate sobre a dança moderna brasileira no contexto sociopolítico da década de 1970. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais. Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2005, Vol. 2, Ano II, nº 1.

VIEIRA, Marcilio de Souza. Panorama da Dança na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Revista de C. Humanas, Viçosa, v. 14, n. 1, p. 130-141, jan./jun. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio