Aprendizagem motora: potencialidades e desafios da elaboração de protocolos para análises específicas em dança

Cecília Bastos da Costa Accioly, Isis da Silva Costa, Vitor Sotero dos Santos, Rogério de Medeiros Silva, Betina Soares Batalha, Marcelo Nei Oliveira Monteiro

Resumo


Fruto da pesquisa em desenvolvimento intitulada “Análise de aprendizagem motora em estudantes de graduação em dança: um olhar sobre corpo e currículo”, esta apresentação visa discutir as potencialidades e os desafios para a análise da aprendizagem motora especificamente em dança. Identifica diferentes protocolos utilizados previamente para análise de aspectos da aprendizagem motora em dança, oriundos de pesquisas realizadas sob as óticas da Fisioterapia e da Educação Física, que percebem a dança com a função de reabilitação motora e cognitiva, e direcionam a análise para melhoria de performance de movimento, ignorando a perspectiva artística/cênica inerente à dança como área de conhecimento, e que não pode ser dissociada da aprendizagem motora dos sujeitos. Discorre sobre o processo de elaboração de protocolos próprios para esta pesquisa em desenvolvimento, em sua pretensão de realizar a análise considerando as especificidades da Dança; indica alguns caminhos e possibilidades encontradas. Sobre a pesquisa, com a utilização de sensores vestíveis, de captura de movimento e softwares específicos, busca um acompanhamento das diferentes estratégias dos estudantes dos cursos presenciais de Bacharelado e Licenciatura em Dança da UFBA no processo de aprendizagem motora durante a graduação. Trata-se de um estudo prospectivo, longitudinal, com abordagem quantitativa e qualitativa. Configura-se, ao mesmo tempo, como uma análise da prática cotidiana dos novos currículos a serem postos em prática a partir de 2019.1, percebendo o perfil dos estudantes que ingressam nos cursos, mas também como estabelecem relações de aprendizagem direta com os saberes e fazeres da dança diretamente no corpo, em seu percurso formativo no âmbito da instituição.


Palavras-chave


Dança. Aprendizagem motora. Protocolos de análise.

Texto completo:

PDF

Referências


Adams, JA. A Closed-Loop Theory of Motor Learning. In.: Journal of Motor Behavior 3 (2): 111–49. 1971.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em: 9 nov. 2018.

FERNANDES, F. Uma estratégia para suportar Interação Humano-Computador de Crianças com Deficiência nos Membros Superiores por meio de Dispositivo Vestível. (p. 24-31). Journal on Advances in Theoretical and Applied Informatics. V.3. N.2. 2017.

Fisher BE, Sullivan KJ. Activity-dependent factors affecting poststroke functional outcomes. In.: Top Stroke Rehabil. 2001; 8:31- 44

Gentile, A. M. A Working Model of Skill Acquisition with Application to Teaching. In.: Quest 17 (1): 3– 23. 1972. doi: 10.1080/00336297.1972.10519717.

Gladstone, D. J., C. J. Danells, and S. E. Black. The Fugl-Meyer Assessment of Motor Recovery after Stroke: A Critical Review of Its Measurement Properties. In.: Neurorehabilitation and Neural Repair 16 (3): 232–40. 2002. doi:10.1177/154596802401105171.

Kawato, M. Internal models for motor control and trajectory planning. In.: Neuroreport, 9, 718– 727(1999)

KOK, M.; HOL, J. D.; SCHON, T. B. Using Inertial Sensors for Position and Orientation Estimation. In: Foundations and Trends in Signal Processing: Vol. 11: No. 1-2, pp 1-153, 2017.

Morris, David M., Gitendra Uswatte, Jean E. Crago, Edwin W. Cook, and Edward Taub. The Reliability of the Wolf Motor Function Test for Assessing Upper Extremity Function after Stroke. In.: Archives of Physical Medicine and Rehabilitation 82 (6): 750–55. 2001. doi:10.1053/apmr.2001.23183.

OptiTrack Documentation Wiki. Disponível em: https://v21.wiki.optitrack.com/index.php?title=OptiTrack_Documentation_Wiki. Acesso em: 11 nov. 2018.

PIMENTEL, L. C. M. Tecnologias Motion Tracking e Motion Capture: Poéticas e Cibernéticas. In: 12#Encontro Internacional de Arte e Tecnologia, UnB, 2013, Brasilia. Anais do 12#Encontro Internacional de Arte e Tecnologia, UnB. Brasilia: UnB, 2013.

PRIM, G. S.; VIEIRA, M. L. H.; GONCALVES, B. S.. A representação do corpo e do movimento: uma análise da interatividade do motion capture. In.: Revista Design & Tecnologia, p. 23-28, 2015.

PRIM, G. S.. Modelo de análise de equilíbrio utilizando sistema de captura de movimentos. 2016. 114f. Dissertação (Mestrado em Design). Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina.

Shadmehr R, Hwang EJ. Internal models of limb dynamics and the encoding of limb state. In.: J Neural Eng. 2005 Sep; 2(3):S266-78.

SHUMWAY-COOK, A.; WOOLLACOTT, M. Controle Motor: Teorias e Aplicações práticas. tradução de Martha Cecily Blauth Chaim. 3.ed. Barueri, SP: Manole, 2010.

SUQUET, A. Corpos Dançantes. In.: CORBIN, A. et al. História do Corpo: as mutações do olhar – o século XX. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. p. 509-540.

TANI, G.; CORRÊA, U. C.; BASSO, L.; BENDA, R. N.; UGRINOWITSCH, H. An Adaptive Process Model of Motor Learning: Insights for the Teaching of Motor Skills. In.: Nonlinear Dynamics, Psychology, and Life Sciences 18 (1): 47–65. 2014.

Thelen E, Corbetta D, Spencer JP. Development of reaching during the first year: role of movement speed. J Exp Psychol.22(5):1059-76. 1996.

TORRES, H. MEMS: Sistemas Microeletromecânicos. Disponível em: https://www.embarcados.com.br/mems/. Acesso em: 07 nov. 2018

TORRES, H. Sensores Inerciais - Parte 1. Disponível em: https://www.embarcados.com.br/mems/. Acesso em: 07 nov. 2018

TORRES, H. Sensores Inerciais - Parte 2. Disponível em: https://www.embarcados.com.br/mems/. Acesso em: 07 nov. 2018

WILLIAMS, A.M; DAVIDS, K; WILLIAMS, J.G. Visual perception and action in sport. London: E & FN SPON; 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio