Os papéis de gênero na dança de salão – pela urgência do fim da boa dama

Paola de Vasconcelos Silveira

Resumo


Objetivo nesse trabalho é refletir sobre como a dança de salão tem construído e sustentado padrões bem marcados de gênero, tendo como enfoque a subjugação do papel da mulher. Pretendo abordar quais os elementos que caracterizam uma “boa dama” na dança de salão tradicional, e como esse papel na dança acaba provocando a manutenção de relações hierárquicas entre homens e mulheres. Finalizo com considerações sobre a importância de se problematizar essa prática e reinventar outras formas de se fazer dança de salão, com normas menos rígidas, viabilizando assim que dessa dança possam emergir outros modos de existência.

Palavras-chave


Dança de salão. Gênero. Dama. Condução.

Texto completo:

PDF

Referências


BERENICE, Bento. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença”.Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v.19, n.2, pp. 549 – 559, 2011.

DANTAS, Mônica. Dança: o enigma do movimento. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1999.

DESPENTES, Virginie. Teoria King Kong. São Paulo: n-1 edições, 2016.

DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA. Disponível em: http://www.priberam.pt/DLPO/. Acesso em: 15 out. 2012.

FORTIN, Sylvie. Contribuições possíveis da etnografia e auto-etnografia para a pesquisa qualitativa em práticas artísticas. Cena: Periódico do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Porto Alegre, n. 7, p. 77-88, 2009. Tradução: Helena Maria Mello. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/cena/issue/view/910/showToc. Acesso em: 15 de nov. 2012.

FORTIN, Sylvie. La recherche qualitative dans le studio de danse: une relation dialogique de corps à corps. Revue de l´association pour la recherche qualitative, v. 10, p. 75-85, 1994.

FROSCH, Joan. D. Dance ethography: tracing the wave of dance. In: FRALEIGH, S; HANSTEIN, P. (Org.) Researching dancing: evolving modes of inquiry. Pittsburg: University of Pittsburg Press, 1999, p. 249-280.

HARAWAY, Donna J. Manifesto ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In:HARAWAY, Donna; KUNZRU, Harri; TADEU, Tomaz (Org.) Antropologia do Ciborgue: vertentes do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

LABRANÃ, Luis; SEBASTIÁN, Ana. Tango: una historia. Buenos Aires: Corregidor, 2000.

MAJEROWICZ, Ilana Taya I.; SILVEIRA, Paola de Vasconcelos. Cavalheirismo não é Gentileza: elucidações sexistas no pensar contemporâneo da dança de salão. Intercom: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Jonville, v. 1, n. 1, p.1-13, set. 2018.

MOTTA-LIMA, Tatiana. A Noção de Escuta: afetos, exemplos e reflexões. Revista do Lume, Campinas, v. 2, p.1-19, nov. 2012. Disponível em: gongo.nics.unicamp.br/revistadigital/index.php/lume/article/download/149/148. Acesso em: 03 ago. 2017.

NAU-KLAPWIJK, Nicole. Tango: Un Baile bien Porteño. Buenos Aires: Corregidor, 2006.

PAZETTO, Débora; SAMWAYS, Samuel. Para além de damas e cavalheiros: uma abordagem queer das normas de gênero na dança de salão. Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 14, n. 3, p.157-179 Jul./Set. 2018. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/11736/pdf. Acesso em: 29 nov. 2018.

PERNA, Marco Antonio. Dama boa não pensa. 2011. Disponivel em: http://www.marcoantonioperna.com.br/blog2/index.php?entry=entry110312-115032. Acesso em: 29 nov. 2018

PERROT, Michele. Os silêncios do corpo da mulher. In: MATOS, M. I. S.; SOIHET, R. O corpo feminino em debate. São Paulo: Ed. da UNESP, 2003. p. 13-27.

POLEZI, Carolina; VASCONCELOS, Paola. “Contracondutas no ensino e prática da Dança de Salão: a dança de salão queer e a condução compartilhada”. Revista Presencia, Montevideo, n.2, pp. 67-83, 2017.

PRECIADO, Paul B. Manifesto Contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2017.

PRECIADO, Paul B. Testo Yonqui. Madrid: Espasa, 2008.

RIED, Bettina, Fundamentos de dança de salão. Londrina: Midiograf, 2003.

RODRIGUES, Jacyra. Ser conduzida na dança. 2015. Disponível em: http://www.protexto.com.br/texto.php?cod_texto=3122. Acesso em: 29 nov. 2018.

ROMAY, Hector. Tango: música para bailar. Buenos Aires: Bureau Editor, 2006.

SAIKIN, Magali. Tango y Género: identidades y roles sexuales em el Tango Argetino. Sttutgart: Abrazos, 2004.

STRACK, MÍriam Medeiros. DANÇA DE SALÃO: Cartografia de uma abordagem feminista. 2017. 108 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Artes, Pós-graduação em Artes, Universidade Federal de Minas Gerias, Belo Horizonte, 2017.

ZAMONER, Maristela. Dança de Salão: conceitos e definições fundamentais. Quatro Barras, PR: Editora Protexto, 2013. 122 p.

ZAMONER, Maristela. Etiqueta para a dança de salão: primeiros passos. Curitiba: Comfauna, 2017. 168 p.

ZAMONER, Maristela. Dança de Salão: uma força civilizatriz. Curitiba: Comfauna, 2016. 108 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio