A Mandrágora: uma relação “maquiavélica” entre a comédia e a moral

Michel Farah Valverde

Resumo


O artigo tem como objetivo elucidar a pertinência do texto dramático A mandrágora do filósofo e político italiano Nicolau Maquiavel, no imbricado envolvimento entre o teatro – no caso aqui tratado especificamente, o gênero cômico – e os hábitos morais. O que se destaca é a relação entre a comicidade e os costumes, tendo como enfoque particular a controvérsia maquiaveliana ao ideal de moralidade herdado da antiguidade clássica grega, retomado e contextualizado no pensamento cristão medieval, aportada principalmente na noção de virtude. Pretende-se demonstrar, por meio da análise dramatúrgica da peça com ênfase aos caracteres das personagens principais, a contribuição de Maquiavel (marcada por uma dose de originalidade) na distinção de uma comédia alinhada à tendência moderna de reavaliação da herança filosófica tradicional e cristã, ao trazer no enredo, com sutil assertividade e derrisão, a impossibilidade de sustentar uma natureza humana virtuosa em tempos de mudança e transição de valores, e faz isso mediante a construção de uma intriga preenchida pelo realismo contundente, que denuncia a inconsistência do caráter como fator imutável e a moldagem dos ideais virtuosos aos interesses individualistas.


Palavras-chave


Maquiavel. Comédia. Moral Virtude. Subversão.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Rafael. A mandrágora: poder, liberdade e condição humana. In: CHAIA, Miguel (org.). Arte e política. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2007.

ARISTÓTELES. Ética a nicômaco: poética. São Paulo: Nova Cultural, 1987 (Os Pensadores).

ARISTÓTELES. Partes dos animais. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2010.v.4, tomo III (Obras completas de Aristóteles).

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1993.

BERGER, Peter. O riso redentor: a experiência cômica da experiência humana. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BERGSON, Henry. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

BIGNOTTO, Newton. Política e vida privada na Mandrágora de Maquiavel. Cadernos de Ética e Filosofia Política: Especial Maquiavel: 500 anos do Príncipe. São Paulo, n. 24, vol. 1, FFLCH-USP, outubro de 2014.

BOILEAU-DESPÉAUX, Nicolas. A arte poética. São Paulo: Perspectiva, 1979

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987. v. 2.

GAZONI, Fernando. A poética de Aristóteles: tradução e comentários, 2006, 132f. Dissertação (Mestrado em filosofia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

HALE, J. R.. Maquiavel e a Itália da renascença. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1963.

HIRSCHBERGER, Johannes. História da filosofia na Idade Média. 2.ed. rev. ampl.. São Paulo: Herder, 1966.

MACHIAVELLI, Niccolo. Erotica: la mandragola-la clizia-novella del demonio che presse moglie-scritture erotiche varie. Coautoria de Gerolamo Lazzeri. Milano: Corbaccio, 1924. (Classici dell'amore, 16).

MAQUIAVEL, Nicolau. A mandrágora. São Paulo: Abril Cultural, 1976. (Coleção teatro vivo).

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. São Paulo: Martins Fontes, 2006. (Coleção obras de Maquiavel).

MASTERS, Roger D. Da Vinci e Maquiavel: um sonho renascentista: de como o curso de um rio mudaria o destino de Florença. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.

MENDES, Cleise Furtado. A gargalhada de Ulisses: a catarse na comédia. São Paulo: Perspectiva / Salvador: Fundação Gregório de Mattos, 2008. (Coleção

Estudos).

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

POLI, Paola; CARLÀ, Marisa. Il comico nel teatro: comico commedia commedianti: percorso nel teatro comico di tutti i tempi. Milano: Palumbo, 1997

PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

RIDOLFI, Roberto. Biografia de Nicolau Maquiavel. São Paulo: Musa Editora, 2003. (Ler os Clássicos; 9)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio