Preparando a mochila: início da subida a montanha da palhaça

Isis Beatriz Anunciato

Resumo


Este trabalho pretende dialogar com a pesquisa em andamento sobre as possibilidades da experiência aliada a reflexões teóricas sobre a formação em palhaçaria. Para pensar esse trabalho parto do trabalho no programa de especialização em artes, latu sensu, na UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). Onde pesquisei as experiências vividas durante os módulos de formação da ESLIPA (Escola Livre de Palhaços) no ano 2014, refletindo sobre o processo de formação da escola. Investiguei as contribuições da mesma para os artistas que a cursaram nos anos de 2013, 2014 e 2015 e que desenvolveram atividades culturais no estado de Mato Grosso do Sul nos últimos cinco anos. O objetivo principal deste trabalho é investigar as possibilidades de formação em palhaçaria a partir da minha vivência com a linguagem em alguns contextos de formação e fruição, desenvolvendo uma reflexão sobre as possíveis formações que um artista interessado na arte do palhaço pode vir a ter, portanto partindo da minha experiência e navegando a partir das possibilidades para através dessas reflexões comungar sobre o processo. Para tanto quatro contextos serão investigados: A formação na ESLIPA, a formação nos cursos livres em palhaçaria, a transmissão desses saberes no interior de um núcleo de família circense e o trabalho da palhaçaria em contexto hospitalar. A metodologia a ser adotada consistirá na pesquisa bibliográfica, bem como pesquisa de campo com entrevistas de roteiro semiestruturado a partir do olhar da cartografia enquanto método. Os dados de pesquisa serão entrelaçados informações e fatos históricos do circo, bem como discussões de autores sobre o circo, a formação do palhaço e de que forma isso se desenvolve, buscando compor uma linha histórica e permeada de discussões e contradições sobre o tema central e suas ramificações.


Palavras-chave


Palhaço; Práticas da experiência; Circo.

Texto completo:

PDF

Referências


BERTOLD, Margot. História mundial do teatro. São Paulo. Perspectiva,2004.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política, UFSC v. 2, n. 1 (3), janeiro-julho/2005, p. 68-80.

BOLOGNESI, Mario Fernando. Palhaços. São Paulo: UNESP, 2003.

BURNIER, Luis Otávio. A arte de ator: da técnica a representação. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2001

CASTRO, Alice Viveiros de. O elogio da bobagem – palhaços no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Editora Família Bastos, 2005.

COSTA, Luciano Bedin da.Cartografia: uma outra forma de pesquisar. Revista Digital do LAV - Santa Maria, v. 7, n. 2, p. 66-77 - mai./ago.2014. Acesso em: 28 jun. 2018.

FO, Dario. Manual mínimo do ator. São Paulo: Editora Senac,2004.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. São Paulo, Perspectiva,2008.

REIS, Demian Moreira. Caçadores de risos: o maravilhoso mundo da palhaçaria. Salvador, EDUFFA, 2013;

ROSA, Luiza; Vilela, Moema. Vozes do teatro: registro da memória cultural de Mato Grosso do Sul. FCMS: Campo grande,2010.

SILVA, Ermínia. Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil. São Paulo: Editora Altana, 2007.

SILVA, Ermínia. O circo: sua arte e seus saberes: o circo no Brasil do final do século XIX a meados do XX. Campinas, São Paulo, 1996.

SILVA, Ângela Maria; FREITAS, Nara Eugênia de; PINHEIRO, Maria Salete de. Guia para normalização de trabalhos técnico-científicos: projetos de pesquisa, monografias, dissertações e teses. 5ª. ed. Uberlândia: EDUFU, 2006.

SILVA, Pedro. A formação do palhaço circense. São Paulo: UNESP, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio