Lute como uma artista pesquisadora

Luciana Mizutani

Resumo


O presente texto faz uma reflexão sobre as formas de resistir na academia, especialmente no campo das artes. Pensamos em maneiras de lidar com o controle e regulamentações autoritárias do Estado. O texto reflete sobre as formas de se pensar e realizar artes de resistência e artivismo propostas nos GTs, nas comunicações de pesquisas e nas discussões extraoficiais durante o evento no X Congresso da Abrace realizado na Universidade Estadual de Campinas – Unicamp em outubro de 2019.


Palavras-chave


Arte de resistência. Artivismo. Pesquisa acadêmica.

Texto completo:

PDF

Referências


BEDINELLI,Talita. Dilma não ‘pedalou’, mas autorizou decretos sem aval do Congresso, diz perícia. El País, 2016. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/27/politica/1467040634_118457.html. Acesso em: 18 abr. 2019.

BOAL, Augusto. Revolução na América do Sul. São Paulo: Editora Ohno, 1961.

BOULOS, Guilherme. 12 retrocessos em 12 meses de Temer. Carta Capital, 2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/politica/12-retrocessos-em-12-meses-de-temer/. Acesso em: 18 abr. 2019.

BRECHT, Berthold. O círculo de giz caucasiano. São Paulo: Cosac Naify, 2002.

BRECHT, Berthold. Ópera dos três vinténs. Teatro Completo 3. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1988.

NASSIF, Lourdes. A origem do “Ninguém solta a mão de ninguém”. Jornal GGN., 2018. Disponível em: https://jornalggn.com.br/historia/a-origem-do-ninguem-solta-a-mao-de-ninguem-por-marcelo-mendonca/. Acesso em: 18 abr. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio