A voz e as mãos: um estudo interpretativo da comicidade sobre a representação de um personagem contador de “causos”

Thiago Henrique Fernandes Coelho

Resumo


O objetivo deste trabalho é investigar a representação da cultura caipira e sua relação com a comicidade nas telenovelas através da análise da representação do personagem contador de “causos” Eleutério Ferrabrás (Interpretado pelo ator Reginaldo Faria) na telenovela “Paraíso” (2009). Procurando analisar sua performance de contador de “causos” a partir dos estudos de Luciana Hartmann (2011) sobre as performances dos contadores de “causos” na fronteira entre Brasil – Uruguai e Argentina. Como os “causos” de Eleutério afetam muito a vida dos personagens da telenovela em questão, gerando muitas situações cômicas, será feita uma análise da comicidade que os “causos” provocam, a partir das teorias de Henri Bergson (2001) e Vladimir Propp (1992), que formularam conceitos para analisar a comicidade, como ela ocorre, suas causas, os diferentes tipos de riso, etc. A escolha dessa telenovela se baseia no fato do autor de telenovelas Benedito Ruy Barbosa, retratar constantemente em suas obras personagens ligados ao campo, seja como apresentando o contexto da Fazenda como núcleo, ou apresentando todo enredo e trama em torno das questões interioranas.

Palavras-chave


“Causos”. Contadores de “causos”. Telenovela. Comicidade. Cultura caipira.

Texto completo:

PDF

Referências


ALKMIM, Tania Maria. Sociolingüística. Parte I. In: MUSSALIM, F., BENTES, A. C. (Orgs.) Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1999.

BARSALINI, Glauco. Mazzaropi: o Jeca do Brasil. Campinas, SP: Átomo, 2002.

BERGSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação da comicidade. Tradução Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolingüística e educação. São Paulo: Parábola, 2005.

CAMPOS, Judas Tadeu de. A educação do caipira: sua origem e formação. Educ. soc., Campinas, v. 32, n.115, p.489-506, abr.-jun. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v32n115/v32n115a14.pdf, Acesso em: 20 de junho de 2017.

CANCLINI, Néstor García. A globalização imaginada. São Paulo: Iluminuras, 2007.

CANCLINI, Néstor García. Consumidores e cidadãos. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

CÂNDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1982.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da invenção do outro. In: LANDER, Edgardo. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2005. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf. Acesso em: 19 de setembro de 2019.

FARIA, Paula Beatriz Domingos. A cultura caipira na teledramaturgia brasileira: uma análise da representação da identidade interiorana em "Paraíso". Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de fora, 2014. Disponível em https://repositorio.ufjf.br/jspui/bitstream/ufjf/772/1/paulabeatrizdomingosfaria.pdf. Acesso em: 20 de junho de 2017.

FRANÇA, Vera V. A televisão porosa: traços e tendências. In: FREIRE FILHO, João (Org.). A TV em transição: tendências de programação no Brasil e no mundo. Porto Alegre: Sulina, 2009.

FRANÇA, Vera Veiga. A TV e a dança dos valores: roteiro analítico para tratar da relação entre televisão e sociedade. In: FRANÇA, Vera Veiga; CORRÊA, Laura Guimarães. (Org.). Mídia, instituições e valores. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

FRESSATO, Soleni Biscouto. Caipira sim, trouxa não: representações da cultura popular no cinema de Mazzaropi e a leitura crítica do conceito pelas Ciências Sociais. Tese (Doutorado em ciências sociais) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009. Disponível em: http://repositorio.ufba.br:8080/ri/handle/ri/10240. Acesso em: 24 de junho de 2019.

FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil: aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas. São Paulo: José Olympio, 1947.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

HARTMANN, Luciana. Gesto, palavra e memória: performances narrativas de contadores de “causos”. Florianópolis: UFSC, 2011.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

IBGE. Contagem populacional de 2016- Estrela do Sul. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em 24 de maio de 2017.

MARTÍN-BARBERO, Jesús; REY, Germán. Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. Tradução de Jacob Gorender. 2ª ed. São Paulo: Senac São Paulo, 2004.

MONTEIRO, Ana Cecília Del Mônaco; FERNANDES, Carlos Eduardo; e COSTA Marcelo Silva. Do caipira ao sertanejo: cultura, música e indústria cultural. Taubaté, 1998. Disponível em: http://screamyell.com.br/especial/monografia_mac.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2018.

PROPP, Vladímir. Comicidade e riso. Tradução Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Ática, 1992.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

SCHNORR, Júlia. A representação do viver no campo: o estereótipo do homem e do espaço rural na televisão. Cadernos de Comunicação (v. 15, n. 2, Jul-Dez 2011). Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/ccomunicacao/article/viewFile/4722/4343. Acesso em: 13 de maio de 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio