Ensino da dança no programa vocacional: processos criativos emancipatórios

Ana Patricia Vasconcellos Sharp

Resumo


O presente artigo se propõe à análise das práticas artístico-pedagógicas oriundas do “Programa Vocacional” da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e se refere a uma pesquisa em andamento que pretende refletir sobre quais as novas modalidades de ensino e aprendizagem da dança instauradas a partir da implementação desse programa. Dentre os objetos de reflexão aos quais pretendemos nos debruçar estão questionamentos sobre como essas modalidades estimularam o surgimento de outras perspectivas pedagógicas, decorrentes de uma reconfiguração dos espaços de aula na cidade, dos sujeitos aprendentes e da pertinência desses processos de criação e formação artística. Interessa-nos, portanto, analisar quais os elementos fundantes e estruturais dessas novas práticas à luz do binômio artístico-pedagógico, uma vez que, nesses contextos, aprender dança não se dissocia dos processos de criação, tampouco da dimensão política desses processos.


Palavras-chave


Dança. Pedagogia da dança. Emancipação. Formação artística. Política.

Texto completo:

PDF

Referências


CECCATO, Maria. Teatro vocacional e a apropriação da atitude épica/dialética. 2008. 278 f. Dissertação de mestrado – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

FABIANO, Cláudia Alves. Uso do território, descentralização e criação de redes no teatro vocacional: aspectos da práxis teatral do artista-orientador. 2010. 281 f. Dissertação de mestrado – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

LARROSA, Jorge. Tremores. Escritos sobre experiência. tradução Cristina Antunes, João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

MAGGIORI, Robert. Em qual tempo nós vivemos? Lavra Palavra, 2014. Disponível em: https://lavrapalavra.com/2017/06/28/em-qual-tempo-nos-vivemos/. Acesso em: 21 ago. 2019.

MASSCHELEIN, Jan. A pedagogia, a democracia, a escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MORAES, Filipe Brancalião Alves de. As implicações políticas dos processos de formação em criação compartilhada. 2017. 160 f. Dissertação de Mestrado, Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

NOVAES, Adauto (Org.). A crise da razão. Brasília: Cia. das Letras, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento. São Paulo: Ed. 34, 1996.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. 2ª edição. São Paulo: Ed. 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. 3ª. Edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. Nas margens do político. Lisboa: KKYM, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. Democracia, igualdade e emancipação em um mundo em constantes mudanças. Lavra Palavra, 2017. Disponível em: https://lavrapalavra.com/2017/09/15/democracia-igualdade-e-emancipacao-em-um-mundo-de-constante-mudancas/. Acesso em: 21 ago. 2019.

TROTTA, Rosyane. O paradoxo do teatro de grupo. 1995. 212 f. Dissertação de Mestrado – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, 1995.

TROTTA, Rosyane. Autoria coletiva no processo de criação teatral. 2008. 317 f. Tese de doutorado – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Rio de Janeiro, 2008.

VIGANÓ, Suzana Schmidt. Zonas de fronteira / territórios de guerrilha: ou como nos tornamos todos Marcos, Joaquins, Claras e Severinas. Sala Preta (Revista do Departamento de Artes Cênicas da ECA USP), São Paulo, v.12, pp. 36-45, 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/salapreta/article/viewFile/57545/60584. Acesso em: 21 ago. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio