Poéticas performativas na América Latina: feminismo descolonial, intersecional e anti-patriarcal

Ana Flávia Felice Nunes

Resumo


Este texto pretende refletir poéticas performativas feministas contemporâneas na América Latina, a fim de analisar a performance enquanto estratégia de luta, ato de resistência e proposição de alternativas de enfrentamento ao patriarcado. Serão analisadas, ações performativas feministas da chilena Cheril Linnet, junto ao coletivo que se denominou Yeguarda Latinoamericana. No campo teórico, busca-se a interlocução com as teorias feministas descoloniais a partir dos estudos da mexicana Márgara Millán e da argentina Maria Lugones, com os estudos interseccionais, apoiado nas brasileiras Djamila Ribeiro e Heleieth Saffioti, e com as experiências sobre teatralidades liminares, apresentadas pela cubana Ileana Diéguez. Por fim, a investigação parte das seguintes questões no campo das Artes e Ativismos: Como trabalhar o corpo, que não pode ser separado de seu contexto social e que expressa questões associadas à identidade, gênero e política? Como trabalhar a performance como potência de luta, ou um ato de resistência contra o patriarcado?


Palavras-chave


Performance. Feminismos. Corpo. Yeguarda Latinoamericana.

Texto completo:

PDF

Referências


DIÉGUEZ, Ileana. Cenários liminares. Uberlândia: Edufu, 2011.

FABIÃO, Eleonora. Performance e teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, Revista de Artes Cênicas, PPG Artes Cênicas da ECA/USP, 2009, pp.235-246.

FABIÃO, Eleonora. Corpo cênico, estado cênico. Contrapontos. Vol.10. nº 3. 2010, pp. 321-326.

FABRINI, Verônica. Delírios anticoloniais: diferença, resistência, amor e alteridade. Santos: SESC, 2016 (Catálogo do Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas de Santos / MIRADA)

FERNANDES, Ciane. A prática como pesquisa e a abordagem somático performativa. Belo Horizonte, ABRACE, 2014 (Anais do VIII congresso ABRACE).

KILOMBA, Grada. Quem pode falar. Disponível em: http://www.pretaenerd.com.br/2016/01/traducao-quem-pode-falar-grada-kilomba.html. Acesso em: 11 de nov. de 2019.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, set-dez. 2014.

MÁRGARA, Millán (Org.). Mas allá del feminismo: caminos para andar. México: Red de Feminismos Descoloniales, 2014.

NUNES, Ana Flávia Felice. O Ator no teatro performativo: reflexões e procedimentos de treinamento. Dissertação (mestrado). Uberlândia. Departamento de Artes. Universidade Federal de Uberlândia, 2017.

RAGO, Margareth. Epstemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana; GROSSI, Miriam (Org.). Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Ed. Letramento. 2019.

ROMANO, Lúcia. Performance feminista e performatividade de gênero. In: Revista Rebento, Revista de artes do espetáculo. nº 4. 2013, pp. 104-113.

ROMANO, Lúcia. De quem é esse corpo? A performatividade do feminismo no teatro contemporâneo. Tese (doutorado). São Paulo: Departamento de Artes Cênicas, Escola de Comunicações e Artes. Universidade de São Paulo, 2009.

SAFFIOTTI, Heleieth. Genero, patriarcado, violência. São Paulo: Ed. Fundação Perceu Abramo, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio