Decopulagem: artesanias, alfaiatarias e andarilhagens

Aline de Oliveira Bernardi

Resumo


RESUMO: Esse artigo adentra o universo poético e os aspectos dramatúrgicos do processo de criação do Livro Performance Decopulagem, tanto nos elementos cênicos e performáticos utilizados na montagem do Solo de Dança Decopulagem quanto nos caminhos metodológicos da escrita de prosas poéticas do Livro Decopulagem em sua tiragem artesanal. O neologismo inventado para nomear o processo de criação revela a caraterística de inventividade almejada na tessitura de escrita do texto poético do livro e na escrita coreográfica do solo. Para compreender melhor como se dá a aprendizagem inventiva nos alinhamos com o pensamento de Virgínia Kastrup que vem apresentando em seus escritos um estudo sobre a aprendizagem da atenção e as diferenças entre criatividade e invenção. Diferentemente de uma condução de dramaturgia pautada no texto dramatúrgico, essa trama dramatúrgica vai revelando as escolhas e as relações cênicas e poéticas de modo processual, aproximando essa construção artística da teoria de autopoiese de Humberto Maturana e Francisco Varela. O eixo dramatúrgico se alinha com o conceito de dramaturgia de Ana Pais que aponta para a criação de modos de cumplicidade na estruturação de sentido do espetáculo. Decopulagem apresenta uma dramaturgia a partir de três títeres: a Andarilha, a Artesã, a Alfaiate. Solo e livro se afetam mutuamente ao longo do processo de criação através das andarilhagens que dialoga com os diferentes lugares percorridos pela autora/performer; das artesanias anunciadas pelas técnicas e práticas corporais junto às influências artísticas que moldaram o corpo da performer/autora; e das alfaiatarias que busca tecer relações e costurar afetos praticando uma interlocução com a maternidade, tanto na geração de uma vida dentro de um ventre materno, como na gestação de processos artísticos, constituindo uma dramaturgia orientada ao corpo feminino na cena.


Palavras-chave


Decopulagem. Dramaturgias. Corpo feminino na cena. Processos de criação. Autopoiese.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNARDI, Aline de Oliveira. Decopulagem. Rio de Janeiro: Edição da Autora, 2019.

BERNARDI, Aline de Oliveira. Lab Corpo Palavra: corpo que escreve corpo e o artista cartógrafo. Monografia (Especialização em Preparação Corporal das Artes Cênicas) – Faculdade Angel Vianna, Rio de Janeiro, 2019.

BORGES, Hélia. Sopros da pele, murmúrio do mundo. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2019.

KASTRUP, Virgínia. Cognição inventiva, arte e corpo. In: ABRACE – Arte, Corpo e Pesquisa na Cena: Cena Expandida. Belo Horizonte: Ed O Lutador, 2015.

PAIS, Ana. O crime compensa. In: NORA, Sigrid. Temas da dança brasileira. São Paulo: Edições Sesc SP, 2010.

ROLNIK, Suely. Palestra proferida no concurso para o cargo de Professor Titular da PUC/SP, realizado em 23/06/93. In: Cadernos de subjetividade, v.1 n.2: 241-251. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade, Programa de Estudos Pós Graduados de Psicologia Clínica, PUC/SP. São Paulo, set./fev. 1993.

TOURINHO, Ligia Losada. Dramaturgias do corpo: protocolos de criação das Artes da Cena. 2009. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, instituto de Artes. Campinas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio