A ideia de montagem cinematográfica no teatro

Carina Maria Guimarães Moreira

Resumo


No ensaio A revisita política (Piscator) Peter Szondi (2001) nos sugere a aproximação da obra de Piscator com as técnicas desenvolvidas pelo cinema da época. Essa aproximação se dá não apenas no campo mais óbvio, da utilização dos filmes na encenação, mas das técnicas recentemente descobertas que trariam ao cinema o status de linguagem artística como a mudança de plano, o close e a montagem de imagens, descobertas essas que permitiram ao diretor realizar na montagem uma composição de imagens, deixando, assim, o cinema de ser apenas uma reprodução técnica de uma cena dramática. A presente comunicação tratará de algumas experiências laboratoriais da ideia de montagem cinematográfica no teatro.


Palavras-chave


Teatro político. Cena dialética. Erwin Piscator.

Texto completo:

PDF

Referências


BOAL, Augusto; GUARNIERI, Gianfrancesco; LÔBO, Edu. Arena Conta Zumbi. Brasil; RCA, 1965.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Zahar, 2017 (E-book).

LE GOFF, Jacques [1924]. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

MALINA, Judith. Notas sobre Piscator: teatro político e arte inclusiva. Tradução Ilyon Troia. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2017.

MARX, Karl. O Capital − Livro 1: crítica da economia política. Livro 1: O processo de produção do capital (Coleção Marx e Engels). São Paulo: Boitempo Editorial. Edição do Kindle, 2013.

PISCATOR, Erwin. Teatro político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

ROSENFELD, Anatol. História da literatura e do teatro alemães. São Paulo: Perspectiva, 1993.

SZONDI, Peter. A revista política. In: Teoria do drama moderno (1880-1950). São Paulo: Cosac Naify, 2001, p. 127-132.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio