Brinquedos, duplos e outros corpos performáticos: primeiras ações

Henrique Saidel

Resumo


Apresento, aqui, algumas das etapas iniciais do processo de pesquisa que desenvolvo atualmente na UFRGS, intitulada Brinquedos, duplos e outros corpos performáticos: estética, erótica, política, em especial o seu primeiro desdobramento artístico: o espetáculo burlesco O mundo inflável de Henrique, apresentado em 2019. Esta pesquisa propõe a investigação de procedimentos de criação, formalização e compartilhamento cênicos a partir da relação não-hierárquica entre os diferentes corpos presentes em cena, e para além dela: corpo-ator, corpo-objeto, corpo-espectador, corpo-encenador, corpo-performer, corpo-duplo, corpo-imagem, corpo-ação, corpo-espaço, corpo-cidade, dentre outros. Uma cena surgida da interação e da fricção dos corpos (vivos e inanimados), dos materiais, das peles (humanas e não-humanas), das presenças, das ações, dos espaços (concretos, simbólicos, ficcionais), criando relações e situações que atravessam e transbordam a cena.

Palavras-chave


Brinquedos. Corpo. Duplos. Ironia. Performance art.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

AMARAL, Ana Maria. O ator e seus duplos: máscaras, bonecos, objetos. São Paulo: SENAC, 2004.

BATAILLE, Georges. História do olho. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

BATAILLE, Georges. O erotismo. São Paulo: Autêntica, 2014.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BENNETT, Jane. Vibrant matter: a political ecology of things. Durham, EUA: Duke University Press, 2010.

BISHOP, Claire. Artificial hells: participatory art and the politics of spectatorship. New York: Verso, 2012.

COMITÊ INVISÍVEL. Aos nossos amigos: crise e insurreição. São Paulo: N-1 edições, 2016.

CONCEIÇÃO, Giorgia Barbosa da. Qual é o lugar do burlesco no Brasil? In: Horizonte da Cena. Publicado em 12/06/2018. Disponível em: https://www.horizontedacena.com/qual-e-o-lugar-do-burlesco-no-brasil/. Acesso em: 30 out. 2018.

CONCEIÇÃO, Giorgia Barbosa da. A burla do corpo: estratégias e políticas de criação. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Salvador: UFBA, 2011.

COUY, Venus Brasileira. O corpo: além do estranho, aquém do impossível. TRAVESSIAS – Revista eletrônica de pesquisas em educação, cultura, linguagem e artes da Unioeste, 5.ed. Cascavel, PR: Edunioeste, 2009. Páginas 81 a 113. Disponível em: http://www.unioeste.br/prppg/mestrados/letras/revistas/travessias/ed_007/CULTURA/O%20CORPO%20PRONTO.pdf. Acesso em: 27 set. 2011.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. 5a ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. 2a ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico: as heterotopias. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. Páginas 264 a 287.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GERACE, Rodrigo. Cinema explícito: representações cinematográficas do sexo. São Paulo: Perspectiva; Edições Sesc São Paulo, 2015.

HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz (Org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

HOFFMANN, E. T. A. O homem de areia. In: CALVINO, Ítalo (Org.). Contos fantásticos do século XIX – o fantástico visionário e o fantástico cotidiano. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

HUTCHEON, Linda. Teoria e política da ironia. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000.

KANTOR, Tadeusz. O teatro da morte. São Paulo: Perspectiva; SESC-SP, 2008.

KANTOR, Tadeusz. O objeto torna-se ator – entrevista com Tadeusz Kantor. In: Cadernos de Teatro. Número 68. Janeiro/fevereiro/março de 1976. Rio de Janeiro: FUNARTE; Serviço Nacional de Teatro.

MUECKE, D. C. Ironia e o irônico. São Paulo: Perspectiva, 1995.

OLIVEIRA, Alberto de; CAMAREIRO, Alberto. Cravo na carne – fama e fome: o faquirismo feminino no Brasil. São Paulo: Veneta, 2015.

PELBART, Peter Pál. Biopolítica. Sala Preta – Revista do PPG em Artes Cênicas ECA-USP. vol. 7. n. 1. São Paulo: ECA-USP, 2007. pp. 57-65.

PELBART, Peter Pál. Ueinzz: viagem a Babel. In: PELBART, Peter Pál. A vertigem por um fio. São Paulo: 2000. p. 99-108.

RIBEIRO, Almir. Gordon Craig: a pedagogia do über-marionette. São Paulo: Giostri, 2016.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições, 2018.

ROLNIK, Suely. A hora da micropolítica. Série Pandemia. São Paulo: n-1 edições, 2016.

ROLNIK, Suely. Geopolítica da cafetinagem. In: Rizoma.net / Artefato, 2002. p. 251-263. Disponível em: http://virgulaimagem.redezero.org/rizoma-net/. Acesso em: 28 jul. 2015.

SAFATLE, Vladmir. Quando as ruas queimam: manifesto pela emergência. São Paulo: n-1 edições, 2016.

SAIDEL, Henrique. As artes do cover: performance para além da cópia e do original. Rio de Janeiro: Circuito; POP LAB, 2019.

SAIDEL, Henrique. Campos minados: observações sobre o político no teatro. In: Anais do 5o Seminário de Pesquisa em Artes da FAP. Curitiba: Faculdade de Artes do Paraná, 2010. Páginas 171 a 194.

SAIDEL, Henrique. Ironia e metalinguagem em cena: ambiguidades, aberturas. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Teatro, CEART-UDESC. Florianópolis: UDESC, 2009.

SONTAG, Susan. Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM, 1987.

SOTRES, Cecilia. Introducción al cabaret (con albur). México: Paso de Gato, 2016.

STRATICO, Fernando A. Performance, objeto e imagem. Londrina: UEL, 2013.

WELDON, Jo. The burlesque handbook. New York: Harper Collins Publishers, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio