O teatro de rua nos currículos dos cursos superiores brasileiros de Teatro e Artes Cênicas: um breve panorama

Alexandre Falcão de Araújo

Resumo


O presente trabalho consiste na apresentação de parcela dos resultados de minha pesquisa de doutorado, em andamento, e tem por objetivo delinear um breve panorama da inserção do teatro de rua nos currículos dos cursos superiores de licenciatura e/ou bacharelado em Teatro e Artes Cênicas de instituições de ensino superior (IES) públicas brasileiras. Além da inserção nos currículos, da modalidade teatral em epígrafe, no trabalho busco ainda apresentar as instituições onde o teatro de rua vem sendo efetivamente ensinado, estudado e praticado em pelo menos uma das três dimensões do chamado tripé da universidade: ensino, pesquisa e extensão. Conforme os dados levantados e analisados na aludida pesquisa, em relação aos componentes curriculares propriamente ditos (e, portanto, em relação à dimensão do ensino), o teatro de rua vem sendo ofertado efetivamente em 15 dos 68 cursos de Teatro ou Artes Cênicas em funcionamento em IES públicas brasileiras, correspondendo a apenas 22% do total. Em relação à pesquisa e à extensão, o índice é um pouco maior, uma vez 26 cursos (ou aproximadamente 38% do total) têm ou tiveram algum projeto de pesquisa ou extensão relacionados ao teatro de rua. Por fim, traço alguns correlatos entre as diretrizes curriculares nacionais em vigência para cursos superiores da área de teatro e a potencialidade e pertinência da inserção do teatro de rua nos projetos e na práxis dos cursos.

Palavras-chave


Teatro de rua. Currículo. Projeto político-pedagógico. Transversalidade. Pesquisa. Extensão.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Elza de. Escola de Teatro Martins Pena - a primeira escola de teatro no Brasil. O Percevejo on-line. Rio de Janeiro, v.1. n. 2, 2009. Disponível em:

http://www.seer.unirio.br/index.php/opercevejoonline/article/view/534/490

Acesso em: 17 de maio de 2019.

ARAÚJO, Alexandre Falcão de. Teatro de rua na universidade: inserções e ausências. Anais ABRACE. v. 17. n. 1. 2016. Disponível em: https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/abrace/issue/view/87/showTocAcesso em: 24 de junho de 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES n.º 4, de 8 de março de 2004. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Teatro e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04-04.pdf

Acesso em: 08 de abril de 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES n.º 195, de 5 de agosto de 2003. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Música, Dança, Teatro e Design. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES_0195.pdf Acesso em: 08 de abril de 2019.

CARLETO, Simone. Intérpretes em consigna livre: práxis e metodologias experimentadas pela Escola Livre de Teatro de Santo André (ELT), Núcleo de Artes Cênicas (NAC) e SP Escola de Teatro. Orientador: Alexandre Luiz Mate. Tese (Doutorado em Artes) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Artes, São Paulo, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/152428 Acesso em: 15 de fevereiro de 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 13ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

FREITAS, Paulo Luís de. Tornar-se ator. Uma análise do Ensino de Interpretação no Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998.

SANTANA, Arão Paranaguá de. Teatro e formação de professores. São Luís: EDUFMA, 2000.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio