Um olhar para o teatro de animação

Osvaldo Antonio Anzolin

Resumo


Esta é uma pesquisa de doutorado que se realiza no Programa de Pós-Graduação em Artes do Instituto de Artes da Unesp, campus São Paulo, sob a orientação do Prof. Dr. Wagner Cintra. O objetivo é estabelecer uma forma de análise perceptiva da visualidade teatral, focando no teatro de animação, com a análise experimental dos espetáculos Mozart Moments (1991), Cadê o Meu Herói? (1998) e São Manuel Bueno, Mártir (2013), todos do Grupo Sobrevento. Nessa perspectiva, alegamos que a prática teatral, além de cênica, também é uma arte visual e fundamentamos essa afirmação na prática de artistas reconhecidos e nos textos de vários autores, tanto do Teatro, quanto das teorias visuais, que consideram a cena uma experiência visual e/ou que observam a aproximação evidente entre o Teatro e a Arte Visual. Resumidamente, o trabalho se constrói com bibliografia acerca da percepção visual, na qual se destaca a psicologia da Gestalt, e também em escritos sobre a materialidade da cena, considera entrevistas, registros, objetos cênicos e apresentações do Sobrevento, e, por fim, com a análise do material encontrado, levando em conta princípios teatrais em contraposição com os parâmetros visuais estudados e reelaborados. Trata-se de uma pesquisa em andamento, portanto inconclusa. Alguns autores que referenciam este trabalho são: Rudolf Arnheim, Antonin Artaud, Paulo C. B. Borges, Wagner Cintra, Edward G. Craig, Donis A. Dondis e Henrich V. Kleist.

Palavras-chave


Teatro de animação. Visualidade teatral. Sobrevento.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. In: Pensadores Vol. II. São Paulo: Nova Cultural, 1991

ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

BORGES, Paulo C. Balardim. Desdobramentos do ator, do objeto e do espaço. 2013. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – UDESC, Florianópolis, 2013.

CASTRO, Kely Elias de. Trinta anos à beira do abismo: o grupo Sobrevento, do virtuosismo da animação de bonecos ao objeto puro. 2018. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Instituto de Artes, Unesp, São Paulo, 2018.

CHERUBINI, Luiz André. A encenação, o teatro de animação e o grupo Sobrevento. Móin–Móin: Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas. SCAR/UDESC, Jaraguá do Sul, ano 9, v. 10, p. 220-235, 2013.

CINTRA, Wagner. No limiar do desconhecido: reflexões acerca do objeto no teatro de Tadeusz Kantor. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

CRAIG, Edward Gordon. Da arte do teatro. Lisboa: Arcádia, 1963.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo, Martins Fontes, 2003.

DORT, Bernard. O teatro e sua realidade. São Paulo: Perspectiva, 1977.

FRANCASTEL, Pierre. O teatro é uma arte visual? Ensaio/Teatro, Achiamê, Rio de Janeiro, n.5, p. 87-95, 1983.

PAVIS, Patrice. A análise dos espetáculos: teatro, mímica, dança, dança-teatro, cinema. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva. 1999.

RIBEIRO, Almir. A morte animada - Edward Gordon Craig e o teatro visual de objetos e outros “não-vivos”. Lamparina - Revista de Ensino de Teatro, EBA/UFMG, Belo Horizonte, v.01, n.02, p.104-113, 2011.

ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SALLES, Cecília A. Redes da criação: construção da obra de arte. Vinhedo: Horizonte, 2003.

VARGAS, Sandra. O teatro de objetos: história, ideias, visões e reflexões a partir de espetáculos apresentados no Brasil. Móin-Móin: Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, SCAR/UDESC, Jaraguá do Sul, n. 7, p. 31, 2010.

KLEIST, Heinrich Von. Sobre o teatro de marionetes. Revista USP, Universidade de São Paulo, São Paulo, n.17, p.196-201, 1993

WECHSLER, Solange M. Criatividade: descobrindo e encorajando. Campinas: Psy, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Apoio