Dramaturgia do espectador: implicações nos processos cognitivos e afetivos do sujeito

Fernanda Andrade

Resumo


Nesta pesquisa, em curso, constrói-se um argumento teórico e discorre-se sobre a construção da dramaturgia do espectador das artes da cena, vislumbrando proposições metodológicas, processos emancipatórios que podem favorecer o desenvolvimento de discursos narrativos arrazoados e sensíveis por parte do espectador. Refletimos sobre alguns aspectos passíveis de serem articulados na dramaturgia do espectador. Referimo-nos ao fenômeno que é descortinado diante dos olhos do espectador, no aqui e agora das artes da cena. Trata-se de o espectador reorganizar os elementos que compõem o espetáculo dando sentido a eles, oportunizando a possibilidade de aprofundar experiências estéticas se detiver “chaves mínimas de conhecimento” sobre as linguagens e adotar uma “atitude estética” para com elas fomentando uma das características inatas nos seres humanos, a tendência ao saber.

Palavras-chave


Dramaturgia. Recepção. Mediação. Dança.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Lisboa: Fund. Calouste Gulbenkian, 2011.

BELL, C. A Hipótese Estética. In: D’OREY, C. (org.). O que é a arte: Perspectiva Analítica.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

CANO, R.O. Artes: A reflexão e a prática no ensino. São Paulo: Blucher, 2013.

CARCHIA, G.; D’ANGELO, P. Dicionário de estética. Lisboa: Edições 70, 2009.

DAMIÃO, M. H. Pré, inter e pós acção: Planificação e avaliação em pedagogia. Coimbra: Minerva, 1996.

ESPINOSA, B. Ética. Lisboa: Relógio D’Água, 1992.

FISCHER-LICHTE, E. A cultura como Performance. Sinais de Cena 4, Lisboa, p. 7380, dez 2005.

HUISMAN, D. A Estética. Lisboa: Edições 70, 2012.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2014.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. 3. Ed. São Paulo: Contexto, 2012.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. São Paulo: Vozes, 2006.

LEHMANN, H. Teatro Pós-Dramático. São Paulo: Cosacnaify, 2011.

LEHMANN, H. Teatro Pós-Dramático, doze anos depois. Rev. Bras. Estud. Presença. Porto Alegre, v 3, nº3, p.859-878, set/dez. 2013.

LESSING, G. E. Dramaturgia de Hamburgo. Lisboa: Fund. Calouste Gulbenkian. Lisboa: Dinalivro, 2007. 27-44 p.

OLIVEIRA, L. M.(Org.) Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola, 2013.

PAIS, A. O Discurso da Cumplicidade: Dramaturgias Contemporâneas. Lisboa: Edições Colibri, 2004.

PAVIS, P. Análise do Espetáculo. São Paulo: Editora Perspectiva, 2003.

SAVIOLI, F.; FIORIN, J. L. Manual do candidato - Lição1 2. ed. – Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2001.

SCHILLER, F. Sobre a educação estética do ser humano numa série de cartas e outros textos. Lisboa: Imprensa Nacional, 1993.

STOLNITZ, J. A Atitude Estética. In: D’OREY, C. (org.). O que é a arte?: Perspectiva Analítica. Lisboa: Dinalivro, 2007. 45-60 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio