A produção cultural do Brasil oitocentista e a atuação de mulheres no teatro popular

Lílian Rúbia da Costa Rocha

Resumo


Este ensaio busca refletir sobre o teatro popular no final do século XIX, a partir da perspectiva da produção teatral e de seu impacto na vida cultural do período. Destacaremos a atuação de algumas mulheres que ocuparam os palcos nesse momento e despontaram pelo seu protagonismo, quebrando vários paradigmas. Para tanto, utilizaremos autores que discutem sobre arte a partir do ponto vista da política. Apresentarei algumas artistas que estiveram presentes nos palcos brasileiros. Desde já, ressalto não ser possível realizar tal debate sem levar em consideração os diferentes aspectos que atravessam a questão, como gênero, classe e etnia. Apesar da escassez de trabalhos que documentam a atuação de artistas negras no teatro popular, temos o registro da atuação da Ascendina Santos, atriz negra que fez sucesso no Teatro de Revista. Também temos outras mulheres que compuseram este cenário, como Cinira Polonio e Chiquinha Gonzaga. Essas duas grandes artistas se notabilizaram pela transgressão à moral e aos bons costumes. Com trajetórias semelhantes, elas atuaram no Teatro de Revista por longo tempo. Este artigo busca compreender a atuação e formação de artistas que transgrediram os papéis atribuídos a elas em um momento de fortes tensões e imposições às mulheres.


Palavras-chave


Teatro-popular; produção cultural; feminismo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Paulo Roberto de. A Presença Negra no Teatro de Revista de 1920. Dissertação (Mestrado em História Social) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

ANTUNES, Delson. Fora do Sério - Um Panorama do Teatro de Revista no Brasil. Rio de Janeiro. Ed. Funarte, 2002.

BENJAMIM, Walter; HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W.; HABERMAS, Jürgen. Textos Escolhidos. São Paulo. Ed. Abril Cultural, 1983.

BRITO, Deise Santos de. Um ator de fronteira: Uma análise do ator Grande Otelo no teatro de revista brasileiro entre as décadas de 20 e 40. São Paulo. Dissertação de mestrado apresentada Escola de Comunicação e Arte – USP, 2011.

DUARTE, Regina Horta. Noites circenses: espetáculos de circo e teatro em Minas Gerais no século XIX. Campinas/SP. Ed. Unicamp, 1995.

GOMES, Tiago de Melo. Um espelho no palco: identidades sociais e massificação da cultura no teatro de revista dos anos 1920. Campinas/SP. Ed. Unicamp, 2004.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: n-1, Edições, 2013.

METZLER, Marta. Alda Garrido: as mil faces de uma atriz popular brasileira. São Paulo. Ed. Perspectiva, 2015.

LEITE, Míriam Moreira (org.). A condição feminina no Rio de Janeiro. Século XIX. São Paulo, Ed. Hucitec, 1993.

MOREIRA, Miriam Lifchitz. A condição feminina no Rio de Janeiro, século XIX: antologia de textos de viajantes estrangeiros. São Paulo. Ed. Universidade de São Paulo, 1993.

PEREIRA, Taís Assunção Curi. Theatro Guarany: O renascer de um palco centenário. Santos/SP. Ed. Comunnicar, 2008.

REIS, Ângela de Castro. Cinira Polonio, a divette carioca: estudo da imagem pública e do trabalho de uma atriz no teatro brasileiro da virada do século XIX. Rio de Janeiro. Ed. Arquivo Nacional, 1999.

SEGATO, Rita Laura. Os percursos do gênero na antropologia e para além dela. Revista Sociedade e Estado, Brasília, volume XII, nº 2, jul./dez..1997.

SILVA, Ermínia. Circo-teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil. São Paulo. Ed. Altana, 2007.

SOUZA, Iara Lis Carvalho. Sobre o tipo popular – Imagens dos(s) brasileiros(s) na virada do século. In: ___. Razão e paixão na política. Brasília. Ed. Universidade de Brasília, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio