A criança-brincante na cena carnavalesca em Belém do Pará

Simei Santos Andrade, Miguel de Santa Brígida Júnior

Resumo


O estudo teve por objetivo investigar a espetacularidade da criança-brincante na cena carnavalesca de uma escola de samba, em Belém-PA. O percurso teórico-metodológico centrou-se numa abordagem qualitativa pautada na Etnocenologia, que busca compreender as Práticas e Comportamentos Humanos Espetaculares Organizados (PCHEO), fortemente presentes na Amazônia, o que nos levou a uma Etnocenologia Amazônica. O entendimento das noções de infância urbana e de criança-brincante, que estão no cerne da discussão sobre carnaval e infância, associada aos estudos da Sociologia da Infância foram importantes para inserir a infância urbana e as crianças em outro patamar – o de atores sociais. A prática de compartilhamento de saberes se deu por meio da observação participante, conversa informal, entrevista conversada, fotografias, desenhos e vídeos que possibilitaram a compreensão do fenômeno. Os colaboradores da pesquisa foram 12 (doze) crianças na faixa etária de 5 a 12 anos, participantes ativas das ações da Bole-Bole, e 8 (oito) adultos, na faixa etária de 23 a 60 anos, que viveram suas infâncias e ou tiveram experiências com crianças nas ações desenvolvidas na Associação Carnavalesca. A conclusão a que o estudo chegou revela que a espetacularidade, conceito chave da Etnocenologia, vivenciada pelas crianças é consciente, observada pelo olhar do outro, ou seja, de quem as vê na cena carnavalesca, é a alteridade.


Palavras-chave


Etnocenologia; Espetacularidade; Carnaval; Criança-brincante; Associação Carnavalesca Bole-Bole/Belém-PA.

Texto completo:

PDF

Referências


AIRES NETO, Francisco. Carnaval das Crias do Curro Velho: espaço educativo de produção de saberes. 2016. 148f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade do estado do Pará, Belém, 2016.

ANDRADE, Simei Santos. A infância da Amazônia Marajoara: sentidos e significados das práticas culturais no cotidiano das crianças ribeirinhas da Vila do Piriá – Curralinho/PA. 2018. 571f. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1987.

BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho. Etnocenologia e a cena baiana: textos reunidos. Salvador: P&A gráfica e Editora, 2009.

BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho. Etnocenologia, uma introdução. In: GREINER, Christine; BIÃO, Armindo. (Org.). Etnocenologia: textos selecionados. São Paulo: ANNABLUME, 1998, p. 15-21.

CARVALHO, Ana Claudia Moraes. OdôIyá: da espetacularidade do Yle Ase Oba OkutaAyraYntyle ao corpo-cena. 2014. 102f. Dissertação (Mestrado em Artes). Universidade Federal do Pará, 2014.

DIAS JÚNIOR, José do Espírito Santo. Cultura popular no Guamá: um estudo sobre o boi bumbá e outras práticas culturais em um bairro de periferia de Belém. 2009. 161f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

FERNANDES, Larissa Krüger. Infância urbana e novas tecnologias: uma análise pela perspectiva da criança. 2018. 161f. Dissertação (Mestrado em Processo de Desenvolvimento Humano e Saúde). Universidade de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: . Acesso em 01 jun. 2020.

FERREIRA, Clélio Palheta. Sociabilidade e espaço público: experiências de ações culturais educativas na passagem Pedreirinha do Guamá - Belém-PA. 2012, 155f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

GOMES, Célia Conceição Sacramento. Corpo e interfaces. In: BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho. (org.). Artes do corpo e do espetáculo: questões de etnocenologia. Salvador: P&A Editora, 2007, p. 175-186.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Amazônia, Amazônias. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTCA. Estimativas da população residente no Brasil e Unidades da Federação com data de referência em 1º de julho de 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2020.

IQUILIBRIO. Tudo sobre Obaluaiê – O Orixá da Terra, do Fogo e da Morte. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2020.

JESUS, Thiago Silva de Amorim. Corpo, ritual, Pelotas e o carnaval: uma análise dos desfiles de rua entre 2008 e 2013. 2013. 367f. Tese (Doutorado em Ciências da Linguagem). Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça-SC, 2013.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Tradução de Sonia Fuhrmann. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

LOPES, Jader Janer Moreira; VASCONCELLOS, Tânia de. Geografia da infância: reflexos sobre uma área de pesquisa. Juiz de Fora: FEME, 2005.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Obras reunidas. São Paulo: Escrituras Editora, 2000a. v. 3.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Obras reunidas. São Paulo: Escrituras Editora, 2000b. v. 4.

LOUREIRO, João de Jesus Paes. Elementos de estética. 3. ed. rev. e ampl. Belém: EDUFPA, 2002.

MAFFESOLI, Michel. A conquista do presente. Natal: Argos, 2001.

MAROCCO, Inês Alcaraz. Gestualidade: experiência e expressão espetaculares. In: GREINER, Christine; BIÃO, Armindo. (Org.). Etnocenologia: textos selecionados. São Paulo: ANNABLUME, 1998, p. 85-93.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria Cecília de Souza. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 32º ed. Petrópolis: Vozes, 2012, p. 9-29.

MODESTO, Juliana Cordeiro. Vozes intangíveis da passagem Pedreirinha: memória e patrimônio no bairro do Guamá, Belém do Pará. 2017. 216f. Dissertação (Mestrado em Memória Social e Patrimônio Cultural). Universidade Federal de Pelotas, 2017.

NISSEL, Katrin. Metamorfose poéticas nos poemas amazônicos. In: LOUREIRO, João de Jesus Paes. Obras reunidas. São Paulo: Escrituras Editora, 2000. v. 3, p. 391-396.

OLIVEIRA, Maria Ana Azevedo de. O corpo que dança: pesquisas em Etnocenologia. Revista Repertório, Salvador, n. 25, 2015.2, p.41-45.

PALHETA, Claudia Suely dos Anjos. Artes carnavalescas: processos criativos de uma carnavalesca em Belém do Pará. 2012. 158f. Dissertação (Mestrado em Artes). Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

PALHETA, Claudia Suely dos Anjos. “GUAMÁFRICA”, Projeto Carnavalesco 2019. Belém: Autora, 2019.

PALHETA, Claudia Suely dos Anjos. GUAMÁ, o Rio que Chove Poesia, Projeto Carnavalesco 2020. Belém: Autora, 2020.

PIAGET, Jean. A Formação do Símbolo na Criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1990.

PRADIER, Jean-Marie. Etnocenologia. In: GREINER, Christine; BIÃO, Armindo. (Org.). Etnocenologia: textos selecionados. São Paulo: ANNABLUME, 1998, p. 23-29.

SALLES, Vicente. O negro na formação da sociedade paraense: textos reunidos. Belém: Paka-tatu, 2004.

SANTA BRIGIDA, Miguel. A Etnocenologia como desígnio de um novo caminho para a pesquisa acadêmica – ampliação do modo e do lugar de olhar a cena contemporânea. In: BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho (Org.). V Colóquio Internacional de Etnocenologia. Salvador: Fast Design, 2007, p. 199-203.

SANTA BRIGIDA, Miguel. A Etnocenologia na Amazônia: Trajetos-Projetos-Objetos-Afetos. In: Revista Repertório: Teatro & Dança, ano 18, n. 25, 2015.2, p. 13-23.

SANTA BRIGIDA, Miguel. O Auto do Círio: drama, fé e carnaval em Belém do Pará. Belém: Programa de Pós-Graduação em Artes/ICA/UFPA, 2014.

SANTA BRIGIDA, Miguel. Etnocorpografando sons e gestos na Amazônia. In: Encontro Regional da Associação Brasileira de Etnomusicologia, Anais [do] II Encontro Regional da Associação Brasileira de Etnomusicologia [e] II Colóquio Amazônico de Etnomusicologia / Encontro Regional da Associação Brasileira de Etnomusicologia, Colóquio Amazônico de Etnomusicologia. Belém: LABETNO; GEMAM, 2016 (2: 2016 jun. 22-24: Belém, PA).

SANTOS, Victoria Guilherme dos. Filhos da folia: um olhar sobre a presença das crianças do carnaval carioca 2014. 2014. 47f. TCC (Bacharelado em Ciências Sociais). Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2020.

SARGES, Maria de Nazaré. Belém: Riquezas produzindo a Belle-Époque (1870-1912). 2. ed. Belém: Paka-Tatu, 2002.

VELOSO, Jorge das Graças. Dois mundos em convivência na cena contemporânea: a Brasília (pós)moderna e a afirmação das tradições nas folias do Divino e nas caretadas de São João. In: BIÃO, Armindo Jorge de Carvalho (Org.). Anais do V Colóquio Internacional de Etnocenologia. Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas. Salvador : Fast Design, 2007, p. 151-160.

WIECZORKOWKI, Juscinete Rosa Soares; PESOVENTO, Adriane; TÉCHIO, KachiaHedeny. Etnociência: um breve levantamento da producão acadêmica de discentes indígenas do curso de educação intercultural. Revista Ciências & Ideias. V. 9, n.3, set.-dez., 2018. Disponível em: file:///C:/Users/Simei%20Andrade/Downloads/948-4066-1-PB.pdf. Acesso em: 27 jul. 2020.

XIMENES, Cláudio; COELHO, Alan Watrin. A descrição histórica, geográfica e etnográfica do rio Capim feita por João Barbosa Rodrigues. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 12, n. 2, p. 535-554, maio-ago. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1981-81222017000200535&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 19 abr. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio