Ciranda de performances - o imaginário e a nostalgia em torno dos bailes na roça (notas de pesquisa)

Gilmar Rocha

Resumo


O baile é sem dúvida uma das mais expressivas manifestações culturais de todos os tempos e lugares. Presente nos mitos, nos folclores, nas mais variadas culturas espalhadas pelo mundo, o baile é um misto de rito festivo no qual a música, a dança, o cenário, o vestuário, enfim tudo concorre para o sucesso da performance. E, é como gênero de performance cultural que o baile, em especial, o “baile na roça” é aqui revisitado inicialmente no imaginário artístico e popular. Essa comunicação apresenta algumas representações artísticas, folclóricas e etnográficas em torno do baile, destacando o processo de circularidade cultural na composição desse fenômeno, mas também a “ciranda das performances” dramatizada ou encenada por meio da variedade das danças, músicas e técnicas corporais que ganham corpo no curso do baile.

Palavras-chave


Baile; Festa; Circularidade cultural; Performances; Nostalgia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Martha. O império do divino –festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro, 1830-1900. Rio de Janeiro/Nova Fronteira; São Paulo, FAPESP, 1999.

ALMEIDA, Manuel Antônio. Memórias de um sargento de milícias. São Paulo: Círculo do Livro, 1988.

ALVES, Isidoro. O carnaval devoto – um estudo sobre a festa de Nazaré, em Belém. Petrópolis, Vozes, 1980.

GRAÇA ARANHA. Canaã. Rio de Janeiro, Fundação Darcy Ribeiro, 2013.

AZEVEDO, Thales. As regras no namoro à antiga. São Paulo, Ática, 1986.

BAKHTIN, Mikhail. “Formas de tempo e de cronotopo no romance”. In: Questões de literatura e de estética –a teoria do romance. 3 ed. São Paulo: Unesp-Hucitec, 1993. p. 211-362.

BOURDIEU, Pierre. “O camponês e seu corpo”. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 26, p. 83-92, 2006.

CAMARA CASCUDO, Luiz. Dicionário do Folclore Brasileiro. 12 ed. São Paulo, Global, 2012.

CANDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito -estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo, Duas Cidades, 1977.

CARNEIRO, Edison. Folguedos tradicionais. 2 ed. Rio de Janeiro, FUNARTE/INF, 1982.

CARVALHO, Amanda. Narradores do sagrado -a devoção popular nas Ladaínhas de Paraty/RJ. Dissertação mestrado PPCULT/UFF, 2020.

CRAPANZANO, Vincent. “A cena -lançando sombra sobre o real”. Mana, PPGAS/Museu Nacional, v. 11, n. 2, p. 357-383, 2005.

DAHER, Claudia. Sob o signo de Terpsícore – cenas de bailes em narrativas francesas, portuguesas e brasileiras do século XIX. Tese de doutorado em Letras, Curitiba, Universidade Federal do Paraná/Université Grenoble Alpes -Ecole Doctorale Langues, Literature et Sciences Humaines, 2016.

FREYRE, Gilberto. O brasileiro entre os outros hispanos -afinidades, contrastes e possíveis futuros nas suas inter-relações. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: INL, 1975.

GONÇALVES, Jose Reginaldo. Antropologia dos objetos -coleções, museus e patrimônio. Rio de Janeiro, Garamond, 2007.

INGLES DE SOUZA. [1893] “O baile do judeu”, in Contos amazônicos. 3 ed. São Paulo, Martins Fontes, p, 103-110, 2005.

LE BAL (O baile). França/Itália/Argélia. Dir. Ettore Scola, Cinéproduction, Films A2, Massfilm, O.N.C.I.C., Mohammed Lakhdar-Hamina, 112 Min, 1983.

LOPES, Antônio (org.). Entre Europa e África –a invenção do carioca. Rio de Janeiro, Casa Rui Barbosa-Topbooks, 2000.

MAUSS, Marcel; DURKHEIM, Emile. “Algumas formas primitivas de classificação”. In Ensaios de Sociologia. São Paulo, Perspectiva, 1981, p. 399-455.

MARTINS, José de Souza. “A morte e o morto –tempo e espaço nos ritos fúnebres da roça”. In: MARTINS, José Souza (Org.). A morte e os mortos na sociedade brasileira. São Paulo, Hucitec, 1983, p. 258-269.

MELO, Victor. “Educação do corpo -bailes no Rio de Janeiro do século XIX: o olhar de Paranhos”. Educ. Pesqui., São Paulo, Ahead of print, fev. 2014

MELLO MORAES FILHO, Alexandre. Festas e tradições populares do Brasil. Belo Horizonte/Itatiaia; São Paulo/Edusp, 1979.

NASCIMENTO, Braulio (org.). Bibliografia do folclore brasileiro. Rio de Janeiro, Divisão de Publicações e Divulgação da Biblioteca Nacional-Departamento de Assuntos Culturais do Ministério da Educação e Cultura, 1971.

NOS BAILES DA VIDA. Milton Nascimento, Caçador de mim, Phillips, 1981. 34:30min.

O BAILE NA ROÇA. Candido Portinari, 1924. Oleo sobre tela, 97.00 cm x 134.00cem BAILE na Roça. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: . Acesso em: 14/04/ 2021. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7

O BAILE PERFUMADO. Brasil. Dir. Paulo Caldas e Lírio Ferreira, Produção Aniceto Ferreira e Beto Monteiro, 93 min, 1996.

PADILHA, Viriato. Os roceiros –histórias e lendas do sertão. Rio de Janeiro, Livraria Quaresma, 1956.

PEREIRA, Luzimar. “O diabo da dúvida -histórias de pactos com o demônio no norte e noroeste de Minas Gerais”. Revista del Museo de Antropologia, v. 11, p. 25-34, 2018.

PORTINARI, Candido. O menino de Brodosqui. PORTINARI, João Candido (Apresentação). Rio de Janeiro, Livroarte Editora, 1979

ROBERTSON, Roland. “Globalização e paradigma nostálgico”. In Globalização -teoria social e cultura global. Petrópolis, Vozes, p. 201-222, 1999.

ROCHA, Gilmar. “A roupa animada -persona e performance na jornada dos santos reis”. Cronos, Natal, v. 15, n. 2, p. 8-34, 2014.

ROCHA, Gilmar. “A morada da palavra – a casa como santuário em tempo de Reis”. Comunicação V Congresso Internacional Santuários, realizado entre os dias 08 a 13 de dezembro de 2020. Disponível em https://santuarios.net/wp-content/uploads/2020/12/CADERNO-DE-ARTIGOS-DO-V-CONGRESSO-SANTUARIOS-2020.pdf, p. 161-172.

RODRIGUES, An’Augusta. “Vamos ao baile dançar e brincar...”. Revista Brasileira de Folclore, v. 12, n. 36, p. 21-35, 1973.

SCHECNHER, Richard. “Ritual” in LIGIERO, Zeca (org.). Performance e antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro, Mauad X, p. 49-89, 2012.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole –São Paulo sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo, Companhia das letras, 1992.

SIMMEL, Georg. A filosofia da paisagem. Covilhão, Lusofia Press, 2009.

TAPETE VERMELHO. Brasil. Dir. Luiz Alberto Pereira, Produção LAPFilme, 102 min, 2006.

TAVARES, Luiz Juvenal. A vida na roça. Belém, s/ed., 1893.

TURNER, Victor. O processo ritual -estrutura e anti-estrutura. Petrópolis, vozes, 1974.

VALERI, Valerio. “Festa”. In: Enciclopedia Einaudi: Religião-Rito, 30. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, p. 402-414,1994.

VIANNA, Hermano. O mundo funk carioca. Rio de Janeiro, Editora Zahar, 2014.

ZALUAR, A. Os homens de Deus – um estudo dos santos e das festas no catolicismo popular. Rio de Janeiro, Zahar, 1983.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio