Entre a dama e a bruxa: relato rebelde de uma trajetória na dança de salão

Palavras-chave: Dança de salão, dama, bruxa, relatos, gênero, queer.

Resumo

Essa são palavras que narraram uma trajetória dentro da dança de salão, um percurso de vida-dança-pesquisa da autora do texto. Fragmentos de muitas facetas de um corpo dançante o qual se dispôs a problematizar o papel hegemonicamente destinado a mulher na dança de salão. Prática regida por um sistema de condução baseado em papéis binários cisgêneros e heteronormativos, o de cavalheiro e de dama.  Desse modo, acredito que a dança de salão pode ser uma tecnologia de controle e castração dos corpos femininos. Entretanto, essa pesquisa tem interesse em ações rebeldes que convocam uma dança de salão através de abordagens contemporâneas e queer. Assim, a figura da bruxa dispara na autora uma possibilidade de desintoxicação dessa corporeidade da dama, vivenciada pela mesma nos espaços de dança, convocando outros modos de compor dança de salão. Sendo assim, trago a performance La Bruja (2019) como disparadora de um caminho de subversão da docilidade do corpo da dama. Essa é uma pesquisa em dança que dialoga com os campos de estudos feministas e queer, os quais estão engajados em práticas que desidentifiquem a cisheterronormativdade compulsório presente nos nossos modos de vida. Trazendo essa imagem de insubordinação da bruxa para convocar a dama para dançar, um dançar a dois entre mulheres, que não almeje se fixar em nenhuma polaridade muito menos compor modelos. Porém se está interessando em buscar estratégias de acionar a rebeldia nessa prática de dança, e buscar caminhos mais igualitários, plurais e autênticos para suas protagonistas. 

Biografia do Autor

Paola de Vasconcelos Silveira, UNIRIO
Doutora em Artes Cênicas pelo PPGAC/UNIRIO orientada pelo Prof. Dr. Charles Feitosa. Bolsista CNPQ (2018-2021). Professora, artista e coreógrafa de dança de salão e tango queer.

Referências

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. São Paulo: n-1 edições; Crocodilo Edições, 2019a.

BUTLER, Judith. Corpos em Aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativade assembléia. 3ºed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019b.

CREED, Barbara. The Monstrous Feminine: film, feminism, psychoanalysis. Routledge: New York, 2007.

DESPENTES, Virginie. Teoria King Kong. São Paulo: n-1 edições, 2016.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Tradução: Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017, 464 p.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro latino americano. RIO, Flavia; LEMOS, Márcia (Orgs.). Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

PRECIADO, Paul B. Multidões Queer: notas para uma política dos “anormais”. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 421-430.

PRECIADO, Paul B. Testo Junkie. São Paulo: N-1 edições, 2018.

ZORDAN, Paola Basso Menna Barreto Gomes. Bruxas: figuras de poder. Revista Estudos Feministas, [s.l.], v. 13, n. 2, p.331-341, ago. 2005. Fap, UNIFESP.

Publicado
2021-12-16
Seção
Grupo de Pesquisadores em Dança