Trieiros em trânsito: acontecimentos e perspectivas

Karina Ribeiro Yamamoto, Andrey Tamarozzi Lima, Francisco Serpa Peres

Resumo


No Estado do Tocantins chama-se popularmente de “trieiro” um caminho estreito em meio à vegetação ou clareira, formado por passagens sucessivas de seres humanos ou animais, que por sua vez também são chamados de trieiros. A palavra reúne em si dois processos distintos: caminho e caminhante, a criação de um caminho e o ato de percorrê-lo, o sujeito da ação e o rastro da ação. Este acontecimento direciona o Grupo Xanarai, um coletivo de pesquisa e criação cênica, nascido no ano de 2013 pelo desejo de discentes e docentes do curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal do Tocantins. No ano de 2015, estreamos nosso primeiro e único espetáculo teatral, intitulado “Trieiros: no meio de um monte de nada”, fruto de uma pesquisa sobre a geografia do Estado do Tocantins, num processo que levou o grupo a uma série de viagens pelo interior desse estado, passando por locais como o Parque Estadual do Jalapão, Ilha do Bananal, Serra de Lajeado e Distrito de Taquaruçu. Este trabalho pretende discutir questões epistemológicas da palavra trieiros e sua possível implicação no campo artístico-pedagógico. O trieiro esboça uma geografia do pensamento e da ação que é simultaneamente extensiva, na medida em que o traça objetivamente pela superfície terrestre, e também intensiva, na medida em que seu corpo é um território de passagem. Enquanto três autores, pretendemos abordar este acontecimento por três perspectivas provisórias: do ator, do encenador e da professora, através de um metálogo, formato de texto baseado na teoria de Bateson.


Palavras-chave


Trieiros; Tocantins; Performatividade; Transdiciplinaridade; Artístico-Pedagógico.

Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Trad. de Eloísa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

FEITOSA, Charles. Fronteiras entre as Artes da Performance e a Filosofia. In: Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, RS, v. 10, n. 1, p. 01-25, fev. 2020. https://seer.ufrgs.br/presenca/article/view/92410. Acesso em: 29/06/2021

FOUCAULT, Micael. O sujeito e o poder. In P. Rabinow, H. Dreyfus. Michel Foucault: uma trajetória filosófica (V. P. Carrero, trad., pp. 231-248). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, 1995.

GREINER, Christine; KATZ, Helena. Por uma teoria do corpomídia. In: GREINER, Christine. O corpo: pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Ed. Annablume, 2012.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MARTINS, Andre. Spinoza e a força transformadora da imaginação: filosofia da mente, teoria do conhecimento e ética. Canal Agenciamentos Contemporâneos. Transmitido em 11/07/20121. https://www.youtube.com/watch?v=tS4KKYsrV9Q. Acesso em: 18/07/2021.

MARTINS, André. A primeira ideia verdadeira no TIE: ideia do corpo e ideia-da-ideia. In: Trágica: Estudos Sobre Nietzsche, v. 10, p. 58-71, 2017.

MATOS, Olgária. Ciclo Mutações: Ainda sob a tempestade. Canal #Mutações. Estreia em 8/01/2020. https://www.youtube.com/watch?v=3V0Qo6mwum4. Acesso em: 18/07/2021.

SILVA, Denise Ferreira da. Sobre diferença sem separabilidade. In: Catálogo da 32ª Bienal de São Paulo. Incerteza Viva. Fundação Bienal de São Paulo (Org.). São Paulo, 2016.

PISTÓIA, Lenise Henz Caçula. Gregory Bateson e a educação: possíveis entrelaçamentos. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio