O encantamento do corpo no Processo BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete)

Mariana Dias Jorge

Resumo


A presente comunicação evidencia alguns aspectos do Processo do BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete) voltados ao encantamento do corpo da/o dançarina/o que o vivencia. Tal encantamento é compreendido como a integração corporal e o fortalecimento da energia vital de cada pessoa que se abre a perceber corporalmente as suas sensações interiores e as conexões com o exterior. Assim, o corpo encantado é entendido como aquele que “dança com tudo”, com todo seu organismo, livre e entregue aos sentidos vivenciados em cada momento. O processo de criação se inicia quando ocorre um desvelamento do que chamamos aqui de cultura velada e a consequente liberação dos gestos vitais. A cultura velada diz respeito às potencialidades e vulnerabilidades pessoais reprimidas pela imposição de valores dominantes. O encantamento do corpo diz sobre a superação de possíveis rejeições da cultura velada, a qual é elaborada pela contínua investigação dos conteúdos familiares e estrangeiros que, de maneira dinâmica, mobilizam ou enrijecem o corpo.


Palavras-chave


BPI (Bailarino-pesquisador-Intérprete); processo criativo; dança do Brasil; corpo.

Texto completo:

PDF

Referências


GAMBINI, Roberto. Espelho índio: a formação da alma brasileira. São Paulo: Axis

Mundi: terceiro Nome, 2000.

NASCIMENTO, Ricardo César Carvalho. Dialéticas da ginga: performances dos corpos subalternos em movimento. In:Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 22, n. 2, p. 45-59, ago./dez. 2019.

RODRIGUES, Graziela. Bailarino Pesquisadora Intérprete - Processos de Formação.

Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

RODRIGUES, Graziela. O Método BPI (Bailarino-Pesquisador-Intérprete) e o

desenvolvimento da Imagem corporal: reflexões que consideram o discurso de

bailarinas que vivenciaram um processo criativo baseado neste método. Tese

(doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, 2003.

RODRIGUES, Graziela e CAMPOS, Flavio. O Método BPI e sua estética:trilhas e veredas de um estudoem artes da cena. In:Pitágoras 500.10º número, volume 2. 2016

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese (doutorado) -

Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia, São Paulo, 2012.

SIMAS, Luiz Antônio e Rufino, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

TAVARES, Júlio Cesar de. Dança de guerra – arquivo e arma: elemento para uma Teoria da Capoeiragem e da Comunicação Corporal Afro-brasileira. Belo Horizonte: Nandyla, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio