A pregnância da forma

Juliana Coelho Gontijo - Universidade Federal do Sul da Bahia

Resumo


O artigo desenvolve uma reflexão sobre a curadoria da 33ª Bienal de São Paulo a partir de duas exposições individuais ali apresentadas: a do artista guatemalteco Aníbal López e a do paraguaio Feliciano Centurión. O objetivo da autora é pensar como são estabelecidas as relações de afeto e proximidade entre obras e espectadores numa bienal pautada por um discurso sobre a dimensão sensível da forma. Na dimensão teórica proposta por Mário Pedrosa, um dos referentes do partido curatorial dessa bienal, a forma pode veicular e conduzir afetos, criar redes ou desestabilizar as dimensões da realidade experimentada para abrir novos mundos. Este artigo pensa, portanto, a partir da vivência pessoal do espaço expositivo, as afinidades afetivas que a curadoria traduz no Pavilhão do Ibirapuera.


Palavras-chave


Bienal de São Paulo; afetividade; experiência; curadoria.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24978/mod.v3i1.4110

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 MODOS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Sem derivações 4.0 Internacional.