A expografia de Lina Bo Bardi como mesa de montagem: transparências, opacidades e genealogias

Vera Pugliese - Universidade de Brasília

Resumo


O artigo investiga a relação entre a fisiologia e a eficácia da expografia da pinacoteca do Museu de Arte de São Paulo – MASP [1968], confrontando a montagem da exposição com outros discursos com os quais o projeto expográfico dialoga. Sua hipótese é que a concepção do projeto de Lina Bo Bardi constitua um ponto de inflexão de diferentes noções de genealogia e historicidade, entre os pensamentos historiográfico-artístico e expográfico. Para tal, o texto discute a possibilidade de compreender este projeto como mesa de montagem, segundo a acepção de Georges Didi-Huberman e quais seriam possíveis desdobramentos e implicações desta associação.


Palavras-chave


Mesa de montagem; genealogia; MASP; Georges Didi-Huberman, atlas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.24978/mod.v1i2.747

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 MODOS