Esteroides x Serotonina: o gênero em dois renomados artistas de rap francês dos anos 2000

Karim Hammou, Daniela Vieira dos Santos, Izadora Xavier do Monte

Resumo


Diam’s e Booba são dois grandes artistas do rap francês dos anos 2000. Ambos venderam mais de um milhão de álbuns ao longo da década e adquiriram uma reputação que faz deles estrelas no mundo do rap e além. No entanto, eles têm imagens públicas distintas do ponto de vista do gênero. Enquanto a aparência de Diam’s foi intencionalmente remodelada para ser “mais feminina” a partir de 2002, o corpo de Booba foi alvo de um trabalho de musculação acompanhado de uma mise en scène cada vez maior do corpo musculoso do artista. A elaboração do gênero desses artistas é igualmente evidente por meio de suas letras e clipes. O presente artigo analisa a produção coletiva do gênero desses artistas (gendered artists), com uma atenção especial à contribuição dos intermediários culturais que se ocupam da recepção crítica. Mostra como as estratégias de marketing e a recepção crítica transforma em produto não apenas as produções musicais desses artistas, mas também suas imagens públicas como estrelas “generificadas” e racialisadas. O artigo mostra como o tratamento assimétrico de Diam’s, como mulher, e de Booba, como homem, ilustram o conceito de heterossexualização (musical).


Palavras-chave


crítica musical; hip-hop; heterossexualização; exotismo; capital subcultural

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Música Popular em Revista

ISSN: 2316-7858