Quem vem lá sou eu: o corpo como território intercultural; a cena como espaço de assombração

Heloisa Gravina

Resumo


Neste texto, busco formular as bases teórico-práticas quelevaram à criação do projeto VadiAção, um espaço investigativo-criativo em capoeira e danças contemporâneas (especialmenteContact Improvisation) desenvolvido na UniversidadeFederal de Santa Maria. Num segundo momento, trago questõessuscitadas pela prática em curso do projeto. Mobilizo osconceitos de espaço paradoxal, de José Gil, de cultura expressivanegra, de Paul Gilroy, e de assombração, de Avery Gordon,para propor a ideia do corpo como território intercultural e acena como espaço de assombração.

Palavras-chave


Capoeira. Contact improvisation. Assombração.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBRIGHT, Ann Cooper. “À corps ouverts: changement e échange d’identités dans la capoeira et le contact improvisation”. In: Revue Protée. Chicoutimi: Université du Québec, V. 29, n. 2, p. 39-49, 2001.

ANJOS, José Carlos Gomes dos. No território da linha cruzada: a cosmopolítica afro-brasileira. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. “Como construir para si um Corpo sem Órgãos”. In: DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. V. 3. São Paulo: Editora 34, 1996.

FORTIN, Sylvie. “Educação somática: novo ingrediente da aula técnica de dança.” Cadernos GIPE-CIT, n. 2, 1999.

GIL, José. “La danse, le corps, l’inconscient”. In: Revue Terrain, 35 – Danser (septembre 2000), online: http://terrain.revues.org/document1075.html. Consulta em 24/02/2007

GIL, José. Movimento total: o corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, 2005.

GILROY, Paul. O Atlântico negro. São Paulo: Editora 34, 2001.

GORDON, Avery. Ghostly matters: Haunting and the Sociological Imagination. Minnesota: University of Minnesota Press, 2008.

GORDON, Avery. “Some thoughts on Haunting and Futurity”. In: Borderlands, v. 10, n. 2, p. 1-21, 2011.

GRAVINA, Heloisa. Por cima do mar eu vim, por cima do mar eu

vou voltar: políticas angoleiras em performance na circulação BrasilFrança.

Tese (Doutorado em Antropologia Social) -Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em:

. Acesso em: 02/07/2015.

GRAVINA, Heloisa. “Falar-fazer antropologia: uma experimentação etnográfica do corpo na capoeira Angola.”In: Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, vol. 13, n. 2, 2012, p. 113-37.

HEAD, Scott. Danced fight, divided city: figuring the space between. Tese de doutorado. Austin: University of Texas at Austin, 2004.

LEPECKI, André. Exhausting Dance: Performance and the Politics of Movement. Nova Iorque: Rutledge, 2006.

NOVACK, Cynthia. Sharing the dance: contact improvisation and american culture. Wisconsin: University of Wisconsin Press, 1990.

ROSA, Tatiana. A pergunta sobre os limites do corpo como instauradora da performance: propostas poéticas - e, portanto, pedagógicas - em dança. Dissertação (mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em:. Acesso em: 02/07/2015.

SOARES, Carlos Eugenio Líbano. A negregada instituição: os capoeiras no Rio de Janeiro 1850-1890. Rio de Janeiro: Access Editora, 1999.

SOARES, Carlos Eugenio Líbano. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas: UNICAMP, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


(c) Conceição | Concept., Campinas (SP) - ISSN 2317-5737.