Belchior e Nietzsche: muito além do bigode

Regina Rossetti, Paula Cristina

Resumo


O objetivo deste artigo é aproximar a música do compositor brasileiro Belchior do pensamento do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. A metodologia envolve revisão bibliográfica da filosofia nietzschiana, análise de entrevistas concedidas por Belchior e análises das letras de músicas do álbum Alucinação de 1976 de Belchior. Os resultados indicam que temas nietzschianos, como a moral do rebanho, lei do eterno retorno, vontade de poder e críticas ao niilismo e ao historicismo, podem adquirir uma interpretação brasileira na música de Belchior, com destaque para particularidades da realidade do Brasil na década de 1970.


Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega. Petrópolis: Vozes, 1989.

CARLOS, Josely Teixeira. Fosse um Chico, um Gil um Caetano: uma análise retórico-discursiva das relações polêmicas na construção da identidade do cancionista Belchior. Tese de Doutorado. São Paulo: USP, 2006.

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Editora USP, 1995.

GASPARI, Elio. A ditadura derrotada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GIACOIA JR., Osvaldo, Nietzsche. São Paulo: Editora Folha, 2000.

GIACOIA JR., Osvaldo. O Platão de Nietzsche, o Nietzsche de Platão. Cadernos Nietzsche 3. São Paulo: Editora USP, 1997.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral: uma polêmica. São Paulo; Companhia das Letras, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Vontade de Potência. São Paulo: Vozes, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. O Nascimento da Tragédia. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MAZZOLA, Marco. Ouvindo Estrelas. São Paulo: Planeta, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Creative Commons

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/

 

Revista Sonora - ISSN 1809-1652
Grupo de pesquisa Tecnologia, Mídia, Criação Sonora e Audiovisual 
Instituto de Artes
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)