O sopro das imagens também vem de dentro

Ícaro Moreno Ramos

Resumo


O presente texto aborda a exposição “Don’t follow the wind”, montada dentro da zona de exclusão do desastre nuclear de Fukushima, a partir de um diálogo com os conceitos warburguianos de “brisa imaginária” e de “sobrevivência”. O tema dos ventos é o promotor da co-incidência entre o trabalho em Fukushima e a teoria warburguiana, aqui conduzida pelo historiador de arte francês Georges Didi-Huberman. A hipótese trazida é a de que as obras da exposição carregam consigo um duplo emanar: por um lado, estão saturadas da radiação que as têm trespassado por anos; por outro, transportam a herança imagética das obras de arte numa cultura pós-nuclear - em que o perigo de um fim último sempre nos ronda.

Abstract

The present text approaches the exhibition “Don't follow the wind", set up within the exclusion zone of the Fukushima nuclear disaster, from a dialogue with the warburguian concepts of "imaginary breeze" and "survival". The theme of the winds is the promoter of the co-incidence between the work in Fukushima and the warburguian theory, here conducted by the French art historian Georges Didi-Huberman. The hypothesis brought is that the works in the exhibition carry with them a double emanation: on one hand, they are saturated with the radiation that has pierced them for years; on the other hand, they carry the imagetic heritage of works of art in a post-nuclear culture - where the danger of an ultimate end always surrounds us.

Resumen

El presente texto aborda la exposición "Do not follow the wind", montada dentro de la zona de exclusión del desastre nuclear de Fukushima, a partir de un diálogo con los conceptos warburguianos de "brisa imaginaria" y de "supervivencia". El tema de los vientos es el promotor de la co-incidencia entre el trabajo en Fukushima y la teoría warburguiana, aquí conducida por el historiador de arte francés Georges Didi-Huberman. La hipótesis traída es que las obras de la exposición llevan consigo un doble emanar: por un lado, están saturadas de la radiación que las han traspasado por años; por otro, transportan la herencia imaginaria de las obras de arte en una cultura post-nuclear - en la que el peligro de un fin último siempre nos ronda.



Palavras-chave


Sobrevivência; Radioatividade; História da arte; Emanações da imagem; Fukushima

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco, 1987. DIDI-HUBERMAN. Georges. Ninfa Fluida. Essai sur le drapé-désir. Paris: Gallimard,

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 2010.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

NANCY, Jean-Luc. After Fukushima: the equivalence of catastrophes. New York: Fordham University Press, 2015.

Referências em meios eletrônicos

DON’T FOLLOW THE WIND. . Acesso em 6 de julho de 2017.

DON’T FOLLOW THE WIND - a walk in Fukushima. Disponível em: . Acesso em 27 de fevereiro de 2018.

TEZUKA, Miwako. Don’t Follow the Wind: Chim↑Pom and the Creation of a Collective Imaginary. Disponível em Acesso em 13 de maio de 2018.




DOI: https://doi.org/10.20396/rv.v4i6.1775

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Visuais



 
A Revista Visuais está licenciada com a Creative Commons. 

Rev. Visuais, Campinas, SP - ISSN - 2447-1313.