A arte e o demônio da estética

Marcel Alexandre Limp Esperante

Resumo


O texto trata alguns dos impasses e contradições que acompanham a arte desde o modernismo até o que hoje se compreende como pós-modernidade ou arte pós-moderna, entendendo que possivelmente sejam faces da mesma moeda. Tomando como base o pensamento de Giorgio Agamben, que discute a crise da arte dialogando com Kant, Heidegger e Nietzsche buscamos refletir sobre como a arte e os artistas têm oferecido respostas e através de suas obras gerado dúvidas sobre suas possibilidades de existência e sobrevivência no âmbito da cultura. Poderá a arte salvar a si mesma? Sobreviverá à sua própria sombra? É possível estabelecer alguma relação entre a arte e a verdade? Questões urgentes que não possuem soluções imediatas, mas que precisam ser enfrentadas se ainda acreditamos em algo que chamamos arte.

Abstract

The text addresses some of the impasses and contradictions that accompany art from modernism to what is now understood as postmodernity or postmodern art, understanding that they may be faces of the same coin. Drawing on the thinking of Giorgio Agamben, who discusses the crisis of art by dialoguing with Kant, Heidegger and Nietzsche, we seek to reflect on how art and artists have offered answers and through their works generated doubts about their possibilities of existence and survival in scope of culture. Can art save itself? Will you survive your own shadow? Is it possible to establish some relation between art and truth? Urgent issues that do not have immediate solutions, but which need to be addressed if we still believe in something we call art.

Resumen

El texto trata algunos de los impasses y contradicciones que acompañan el arte desde el modernismo hasta lo que hoy se comprende como posmodernidad o arte posmoderno, entendiendo que posiblemente sean caras de la misma moneda. Tomando como base el pensamiento de Giorgio Agamben, que discute la crisis del arte dialogando con Kant, Heidegger y Nietzsche buscamos reflexionar sobre cómo el arte y los artistas han ofrecido respuestas ya través de sus obras generadas dudas sobre sus posibilidades de existencia y supervivencia en el ámbito de la cultura. ¿Puede el arte salvarse a sí mismo? ¿Sobrevivirá a su propia sombra? ¿Es posible establecer alguna relación entre el arte y la verdad? Cuestiones urgentes que no tienen soluciones inmediatas, pero que necesitan ser enfrentadas si todavía creemos en algo que llamamos arte.


Palavras-chave


Arte; Estética; Arte contemporânea

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O homem sem conteúdo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido se desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Editora Schwarcz Ltda, 1986.

BUENO, Maria Lúcia. Artes plásticas no século XX: modernidade e globalização. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 1999.

CABANNE, Pierre. Marcel Duchamp: o engenheiro do tempo perdido. São Paulo: Perspectiva, 1987.

CAUQUELIN, Anne. Teorias da arte. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CHIPP, Herchel(org); SELZ, Peter e TAYLOR, Joshua C.. Teorias da arte moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

FOSTER, Hal. Recodificação. Arte, espetáculo, política cultural. São Paulo: Casa Editorial Paulista, 1996.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Lisboa: edições 70, 1977.

MARX, Karl. O manifesto comunista. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. , Eduardo. Conceitos da arte moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 1991.

WOOD, Paul; FRASCINA, Francis; HARRIS, Jonathan; HARRISON, Charles.(org). Modernismo em disputa: a arte desde os anos quarenta. São Paulo: Cosac & Naif, 1998.




DOI: https://doi.org/10.20396/rv.v2i2.563

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Revista Visuais



 
A Revista Visuais está licenciada com a Creative Commons. 

Rev. Visuais, Campinas, SP - ISSN - 2447-1313.