Resiliens

Marta Luiza Strambi

Resumo


O presente artigo contempla a convergência teoria e prática, envolvendo o desenvolvimento poético de obras que foram produzidas sob o fulgor de um pensamento artístico que tem como condição sua dimensão crítica, as relações com a autobiografia e seus campos ‘borrados’ nas modalidades em questão. Para tanto ele inclui a instalação Campo de forças sob o conceito de artificialidade e resistência à vida e, sua discussão sobre o campo em “perigo”, ações que sobrepõem “o que se quer” ao “que não podemos dominar”.

Resumen

El presente artículo contempla la convergencia teoría y práctica, involucrando el desarrollo poético de obras que fueron producidas bajo el fulgor de un pensamiento artístico que tiene como condición su dimensión crítica, las relaciones con la autobiografía y sus campos "enmascarados" en las modalidades en cuestión. Para ello incluye la instalación Campo de fuerzas bajo el concepto de artificialidad y resistencia a la vida y su discusión sobre el campo en "peligro", acciones que superponen "lo que se quiere" al "que no podemos dominar".

Abstract

This article covers the convergence of theory and practice, dealing with the poetic development of works that were produced under the glow of an artistic thought that has as a condition its critical dimension, the relations with the autobiography and their 'blurred' fields in the modalities in question. Therefore it includes the installation Force Fields under the concept of artificiality and resistance to life, and his discussion of the field in "danger", actions that overlaps " what you want " to "what we can not control".


Palavras-chave


arte, instalação, som, tecnologia

Texto completo:

PDF

Referências


ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ARFUCH, Leonor. Pensar este tiempo, espacios, afectos, pertenencias. Buenos Aires: Paidós, 2005.

---------------. Arte, Memoria y Archivo. Poéticas del objeto. In Revista Z Cultural, revista do programa avançado de cultura contemporânea. Rio de Janeiro: UFRJ, n. 2, 2015.

---------------. “O espaço biográfico na (re)configuração da subjetividade contemporânea”. In. GALLE, H.; OLMOS, A. C.; KANZEPOLSKY, A.; IZARRA, L. Z.. Em primeira pessoa. Abordagens de um teoria da autobiografia. São Paulo: Annablume; FAPESP: USP, 2009.

KOSKO, Bart. Pensamiento borroso. La nuevava ciencia de la lógica borrosa. Tradução de Juan Pedro Campos. Barcelona: Crítica, 1995.

DELEUZE, Gilles e GUATARRI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol 1. São Paulo: Editora 34, 1995.

FOUCAULT, Michel. “A escrita de si”. In Ditos e Escritos V: Ética, Sexualidade e Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

----------------------. História da sexualidade 3: O cuidado de si. São Paulo: Graal, 2005.

GUATARRI, Félix e ROLNIK, Suely. Cartografia Sentimental: transformações

contemporâneas do desejo. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 1989.

LAMBERT, Maria de Fátima. Resiliências mediadas. Porto: Quase Galeria, Brochura da Exposição “Resiliências mediadas”, 2016.

OLIVEIRA; FARINA; STRAMBI. “Entre a obra e o mundo: a dimensão crítica da arte”. In Para pensar a arte: seus espaços e/em nosso tempo. Porto Alegre: ANPAP: 2016.

--------------------------------------. “Simpósio 3: Entre a obra e o mundo: a dimensão crítica da arte”. In Arte: seus espaços e/em nosso tempo, 26o. Encontro Nacional da ANPAP. Porto Alegre, 2016.

SCHNECKENBURGER, Manfred. “Escultura”. In Arte do século XX. Colonia: Taschen, 1999. [vol.II].




DOI: https://doi.org/10.20396/rv.v3i4.817

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Visuais



 
A Revista Visuais está licenciada com a Creative Commons. 

Rev. Visuais, Campinas, SP - ISSN - 2447-1313.