Experiência e presença: a relação entre dança e práticas orientais na formação do artista da dança

Karenine de Oliveira Porpino

Resumo


O trabalho em questão objetiva discutir relações entre dança e práticas orientais no âmbito da formação de artistas da dança, tendo como base a seguinte questão: Como as práticas orientais e a dança se relacionam na experiência de artistas professores? Denominamos de práticas orientais, experiências de movimento tais como Tai chi chuan, Yoga e Aikidô, dentre outras práticas do oriente, que se caracterizam por uma disciplina corporal aliada a uma filosofia de vida. A investigação tem como referência teórica os conceitos de experiência e presença, discutidos com base em autores como Merleau-Ponty; Varela, Thopmson e Rosch, dentre outros. A pesquisa orienta-se pela Fenomenologia e parte da experiência de artistas docentes da dança, cuja formação inclui a vivência com as práticas orientais, além da dança. Para o registro dessas experiências recorre-se à construção de narrativas escritas compreendendo-as como uma possibilidade de mergulho e submersão na vida do narrador, no sentido expresso por Walter Benjamim. A investigação justifica-se como possibilidade de contribuir com as discussões em torno da Dança Contemporânea, no sentido dado por Laurence Louppe, no que tange a articulação entre referências gestuais e a compreensão do corpo como protagonista da criação de novas poéticas.

Palavras-chave


Experiência; Presença; Dança; Formação; Práticas orientais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÓN, M. Maxine Sheets-Johnstone: Fenomenologia da Dança. O Percevejo (On Line), 3 (2), 4-13), 2011.

DUTRA, E. A narrativa como uma técnica de pesquisa fenomenológica. Estudos de Psicologia, 7(2), 371-378, 2002.

CHAUÍ, M. Experiência do pensamento: ensaios sobre a obra de Merleau-Ponty. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

LOUPPE, L. Poética da Dança Contemporânea. Lisboa: Orfeu Negro, 2012.

LAUNAY, Isabelle; GINOT, Isabelle. “Ser bailarino apesar da escola | devenir danseur malgré l’école”. http://idanca.net/ser-bailarino-apesar-da-escola/. Acessado em: 28/07/2014

MACHADO, M. M. O diário de bordo como ferramenta fenomenológica para o pesquisador em artes cênicas. Revista Sala Preta, 2, 260-263, 2002.

MERLEAU-PONTY, M. A Fenomenologia da percepção. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1994.

_____. A prosa do mundo. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

PESSOA, F. Livro do Desassossego. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/vo000008.pdf

VARELA, F. Sobre a competência ética. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1992.

Varela, F., Thompson, E., Rosch, E. A mente incorporada: ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio