Noções de forma na Teoria Estética de Theodor Adorno

Sulian Vieira, Roberta Matsumoto

Resumo


Ao reconhecer a forma estética como agregadora e produtora de sentido,
Theodor Adorno equaliza a suposta diferença entre os enfoques da forma e do
conteúdo, estendendo o domínio da forma ao domínio do sentido no intuito de
superar os limites coercitivos do pensamento idealista que restringiriam o
sentido somente ao conteúdo. Assim, o conceito de forma enquanto
“significado sedimentado” habilita o seu reconhecimento como dimensão
material do conteúdo. Enquanto o texto teatral no ocidente foi considerado
como elemento coativo por algumas tendências do teatro moderno e
contemporâneo, não sem motivos, a palavra tem sido pouco apreciada
enquanto forma e associada estritamente ao conteúdo e à racionalidade
abstrata. No contexto de produção teatral a partir de um texto teatral prédefinido,
o conceito de forma permite o contato com textos teatrais a partir de
sua dimensão formal, como propostas de agenciamentos com os corpos de
atores, diretores e público.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Teoria Estética. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2011.

DAVINI, S. O Beijo de Romeu e Julieta. MEDEIROS,M. B.; MONTEIRO, M.

F.M,; MATSUMOTO, R. K. (Org.). Tempo e Performance. Brasília: Editora da

Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília, 2007. pp. 149-168.

JIMENEZ, M. O que é estética. Trad. Fúlvia Moretto. São Leopoldo: Unisinos,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio