Dança, Criação e Memória: Uma Perspectiva Nietzschiana

Tainá Soares de Albuquerque

Resumo


Compreendendo a dança de salão como uma manifestação artística e social e definindo-a
como um espaço de interação cênica, analizaremos dois bailes distintos, considerando-os a
partir de seus ethos artísticos, o apolíneo e o dionisíaco. Para isto utilizaremos os conceitos
de Nietzsche (1889), onde o autor considera a arte como forma privilegiada de interpretar a
realidade, como forma mais profunda de desvendar o devir. O objetivo então é investigar
que contribuições a dança agrega para uma memória criadora e ativa, pois entendemos que
a memória é uma criação do corpo. Entendendo que assim como a arte, a memória
desenvolve-se no âmbito social, a pesquisa porpõe-se a investigar em que fronteira tênue
entre memória e esquecimento encontra-se o momento da criação.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRENECHEA, Miguel Angel de. Nietzsche e o corpo. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

_____________________________. Nietzsche – o eterno retorno e a memória do futuro. In: BARRENECHEA, Miguel Angel de (Org.). As dobras da memória. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

_____________________________. Nietzsche e a genealogia da memória social. In: GONDAR, Jô et al. (Orgs.). O que é memória social? Rio de Janeiro: Contra-Capa, 2005.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: ___________. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e história da

cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985. (Obras Escolhidas, Volume 1).

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: lembrança dos velhos. 3ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

BOURCIER, Paul. Historia Da Dança No Ocidente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. São Paulo: Edições 70, 1985.

DIAS, Rosa Maria. Amizade estelar. Schopenhauer, Wagner e Nietzsche. Rio de Janeiro: Imago, 2009.

DINIZ, Andre. Almanaque do samba: a historia do samba, o que ouvir, o que ler, onde curtir. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2006.

FEITOSA, Charles. Por que a filosofia esqueceu a dança? In: BARRENECHEA, Miguel Angel, DIAS Rosa Maria et al. (Org.). Assim falou Nietzsche III. Para uma filosofia do futuro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2001.

MACEDO, Roberto Sidnei. A etnopesquisa Crítica e Multirreferencial nas Ciências Humanas e na Educação. 2ª ed. Salvador: EDUFBA, 2004. P.35-96 (capítulo: Reflexões e inspirações teórico-epistemológicas fundamentais para a etnopesquisa crítica).

MACHADO, Roberto. Zaratustra. Tragédia nietzschiana. RJ: Zahar, 1997.

MARTON, Scarlett.Só acreditaria em um deus que soubesse dançar. In: BARRENECHEA, Miguel Angel et al. (Org.). Assim falou Nietzsche II. Memória, Tragédia e Cultura. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

MENDES, Miriam Garcia. A Dança. 2ª. São Paulo: Ática, 1987.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim Falou Zaratrusta – Um livro para todos e para ninguém. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

____________. A gaia ciência. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

_____________. O Nascimento da Tragédia. São Paulo: Shwarcz, 2006.

_____________. Segunda consideração Intempestiva. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2003.

PLATÃO. Fédon. In: Diálogos. Curitiba: Hemus, 2002.

SILVA, Marina Martins. Dança ao Pé da Letra – Teatro e literatura entre passos e volteios nos salões e palcos brasileiros da Corte e da Capital Federal. Dissertação de Mestrado – Universidade do rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação, Mestrado em Teatro. Rio de Janeiro, 2000.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a Arte – o pensamento pragmatista e a estética popular. 1ª ed. São Paulo: Ed.34,1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio