O jogo e o adolescente, um encontro

Kauê Rocha

Resumo


O que se delineia a partir do encontro da metodologia do jogo com o público adolescente na escola pública? Essa interrogação guia o presente resumo, ancorado em uma pesquisa de Mestrado em andamento, sendo desenvolvida pela UFMG, com bolsa CAPES. A pesquisa partiu de um incômodo em relação à carência de produtos cênicos destinados especificamente ao público adolescente, além da consequente escassez de uma bibliografia que investigasse as relações entre o jovem e o teatro. Sabendo da popularidade da metodologia do jogo no espaço escolar, esta ilustrada principalmente pelos trabalhos de Viola Spolin (2015), Jean-Pierre Ryngaert (2009) e Augusto Boal (2019), a pesquisa em questão busca entender o que se estabelece em relação ao adolescente na escola quando encontra o jogo, mediado pelo professor para a sala de aula. Para tal, realizou-se uma entrevista com uma professora de Artes Cênicas do município do Rio de Janeiro e com 3 alunos de 16 anos de idade desta professora, procurando compreender como ministrar jogos em sala provocou reverberações diversas nos corpos e nas vidas de cada um. Extraindo algumas reverberações dessas entrevistas, sigo tecendo novos olhares para o campo da Pedagogia do Teatro, focalizando as potencialidades do jogo para o desenvolvimento dos saberes do aluno jovem, escavando outras descobertas a fim de fomentar esse campo. Neste artigo, teremos as considerações da entrevista dessa professora e de um de seus alunos. Os principais referenciais teóricos que embasam o estudo são os trabalhos de Carmela Soares (2010), Maria Lúcia de Souza Barros Pupo (2015) e Luís Antonio Groppo (2017).


Palavras-chave


Jogo; adolescência; metodologias de ensino de teatro; teatro na escola.

Texto completo:

PDF

Referências


BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. São Paulo: Editora 34, 2019.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: . Acesso em: 01 ago 2021.

CAMARGO, Robson Correa de. Neva Leona Boyd e Viola Spolin, jogos teatrais e seus paradigmas. Sala Preta, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 282-289, dez. 2002.

CHACRA, Sandra. Natureza e Sentido da improvisação teatral. São Paulo: Perspectiva, 1983.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 5/6, n. 24, p. 40-52, set. 2003.

GROPPO, Luís Antonio. Introdução à sociologia da juventude. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2018.

KOUDELA, Ingrid Dormien. Jogos Teatrais. São Paulo: Perspectiva, 2017.

PEREIRA, Eugênio Tadeu. Brincar na Adolescência: uma leitura do espaço escolar. 2000. 252 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. Para alimentar o desejo de teatro. São Paulo: Editora Hucitec, 2015.

PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. Para desembaraçar os fios. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 30, p. 217-228, jul-dez/2005.

RYNGAERT, Jean-pierre. Jogar, Representar. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus Editorial, 1978.

SPOLIN, Viola. Jogos Teatrais na Sala de Aula: Um Manual para o Professor. São Paulo: Perspectiva, 2015.

SOARES, Carmela. Pedagogia do jogo teatral: uma poética do efêmero: o ensino do teatro na escola pública. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

VELOSO, Graça. Os saberes da cena e o recorte da pedagogia do teatro: uma possibilidade metodológica. In: HARTMANN, Luciana; VELOSO, Graça (org.). O teatro e suas pedagogias: práticas e reflexões. Brasília: Editora Unb, 2016. p. 29-44.

WEISHEIMER, Nilson et al. Sociologia da juventude. Curitiba: InterSaberes, 2013


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio