Por uma Reconciliação de Saberes nas Licenciaturas das Artes da Cena

Cecília Bastos da Costa Accioly, Lúcia Fernandes Lobato

Resumo


Este artigo apresenta e analisa as recorrências emergentes das formas de
inserção das noções de Territorialidades e Saberes Locais nos atuais
currículos das Licenciaturas em Dança e em Teatro da Universidade Federal
da Bahia — campo de observação escolhido por serem as primeiras escolas
específicas destas artes no Ensino Superior no país — vinculando-as ao
percurso histórico das instituições em questão, ao Ensino Superior no Brasil, e
às hierarquizações de saberes a partir da construção da tradição ocidental.
Ressalta a necessidade de uma revisão da concepção de universidade e da
formação do professor a partir de propostas para uma reformulação da Dança
e do Teatro no ambiente da graduação sem hierarquização dos saberes.
Aponta estas artes como elementos passíveis e constitutivos do conhecimento
humano e, ainda, um local privilegiado de religação dos saberes formadores da
cultura para a efetivação e construção da complexidade. Ressalta o momento
da dicotomização do conhecimento, devido a incompreensões e equívocos
determinantes do cientificismo e do academicismo. Assume a atual discussão
sobre a reconciliação dos saberes sob a ótica de uma epistemologia do
cotidiano.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, L. V. C. de. Graal – O Segredo da Dança na Bahia: noção de

vanguarda artística aplicada à Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia. In.: LOBATO, L. F.; SAJA, J. A. Vanguardismo, também uma questão da Dança. Salvador: Universidade Federal da Bahia/Escola de

Dança/Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, 2005. pp. 47-118.

BACHELARD, G. A Terra e os Devaneios da Vontade: Ensaio sobre a

imaginação das forças. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008. 317p.

CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. 9. ed. São Paulo:

Companhia das Letras, 1990. 144p.

DELEUZE, G.; GUATARRI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São

Paulo: 34, 1995. 93p.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009. 436p.

DESCARTES, R. Discurso do método. Porto Alegre: L&PM, 2008. 123p.

DURAND, G. As Estruturas Antropológicas do Imaginário: Introdução à

Arquetipologia Geral. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 552p.

FEYERABEND, P. K. Contra o método. São Paulo: UNESP, 2007. 374p.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 31. ed. Petrópolis:

Vozes, 2006.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. 107p.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo:

Perspectiva, 2007. 243p.

LEÃO, R. M. de. Abertura para outra cena: uma história do teatro na Bahia a partir da criação da Escola de Teatro – 1946-1966. 2002. 265f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Programa de pós-graduação em Artes Cênicas, Escola de Dança/Escola de Teatro, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2002.

MAFFESOLI, M. O conhecimento comum: introdução à sociologia

compreensiva. Porto Alegre: Sulina, 2007. 295p.

MORIN, E.; LE MOIGNE, Jean-Louis. A Inteligência da Complexidade. 3. ed. São Paulo: Peirópolis, 2000. 268p.

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. 21. ed. Petrópolis:

Vozes, 2007.

PAREYSON, L. Os Problemas da Estética. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 246p.

SARAMAGO, J. Ensaio sobre a lucidez. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. 325p.

____________. Ensaio sobre a cegueira: romance. São Paulo: Companhia

das Letras, 1995. 310p.

SILVA, T. T. da, Documentos de identidade: uma introdução às teorias do

currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2176-9516

Fomento à pesquisa e apoio