MODOS

Criada pelo Grupo de Pesquisa MODOS - História da Arte: modos de ver, exibir e compreender, a revista MODOS objetiva publicar textos que visam discutir a produção artística, crítica e historiográfica dedicada às artes visuais em suas várias dimensões, dando ênfase aos lugares de exibição, à circulação, às coleções e às narrativas que instituem como percebemos, interpretamos e divulgamos a produção artística e o objeto de arte. MODOS está vinculada a seis Programas de pós-graduação em Artes/Artes Visuais (UNICAMP, UFRJ, UnB, UFRGS, UFBA e UERJ). A revista aceita artigos (em português, espanhol e inglês), traduções, entrevistas e resenhas de livre tema, bem como textos para dossiês temáticos, organizados por pesquisadores convidados pela Comissão Editorial ou pelos Editores.

Created by Research Group MODOS – Art History: modes of seeing, exhibiting and understanding, MODOS Art Journal aims to publish texts that discuss artistic, critical and historiographical work focused on the visual arts in its various dimensions, highlighting the exhibition venues, circulation, collections and narratives that establish how we view, interpret and promote art and the art object. MODOS Art Journal brings together researchers from six Brazilian public universities (UNICAMP, UFRJ, UnB, UFBA, UERJ and UFRGS), engaged in their respective graduate programs. It will accept articles (in portuguese, spanish and english), translations, interviews and reviews, as well as texts for thematic dossiers, organized by researchers invited by the Editorial Board or by the Editors.

Créée par le Groupe de Recherche MODOS - Histoire de l'art: des manières de voir, d'exposer et de comprendre, la revue MODOS  publie des textes qui analysent la production artistique, critique et historiographique dédiée aux arts visuels dans ses diverses dimensions. Notre intérêt  porte en particulier sur les lieux d'exposition, la circulation, les collections et les récits établissant la façon dont nous percevons, interprétons et diffusons la production artistique et l'objet d'art. MODOS est liée à six programmes d'études doctorales en arts / arts visuels (UNICAMP, UFRJ, UNB, UFRGS, UERJ et UFBA). La revue accepte des articles (en portugais, espagnol et anglais), ainsi que des traductions, des entrevues et des comptes rendus sur des thèmes libres, ou des textes pour les dossiers thématiques organisés par des chercheurs invités par les éditeurs ou par le comité éditorial.

Creada por el Grupo de Pesquisa MODOS - Historia del Arte: modos de ver, exhibir y comprender, la revista MODOS publica textos que tienen como objetivo el discutir la producción artística, crítica e historiográfica dedicada a las artes visuales en sus varias dimensiones, dando énfasis a los lugares de exhibición, a la circulación, a las colecciones y a las narrativas que instituyen  como percibimos, interpretamos y divulgamos la producción  artística y el objeto de arte.MODOS está vinculada a seis Programas de post-graduación en Artes/Artes Visuales  (UNICAMP, UFRJ, UnB, UFRGS, UERJ y UFBA). La revista acepta artículos (en portugués, español e inglés), traducciones, entrevistas y reseñas de libre tema, bien como textos para dosieres temáticos, organizados por pesquisadores convidados por la Comisión Editorial  o por los Editores.


    Resultado de imagem para latindex


ISSN: 2526-2963

Notícias

 

Chamada para dossiê – Call for Papers

 

O retorno a Aby Warburg no discurso historiográfico artístico contemporâneo

A presença de escritos referenciais de Aby Warburg é emblemática do crescente movimento de retorno a teóricos e historiadores da arte do início do século XX, pelo menos em dois diferentes âmbitos. Um deles se dedica a seus pressupostos teórico-metodológicos sob uma revisão epistemológica da história da arte, cuja especificidade nos coloca a pensar a possibilidade de acesso a uma região de saberes e não saberes sobre a diversidade cultural do Renascimento e de seu olhar sobre a Antiguidade, entendendo sua temporalidade como um fenômeno complexo. O outro âmbito é suscitado por questões oriundas da arte moderna e contemporânea, que impõem agenciar deslocamentos de sentido, conceitos operatórios e categorias de análise para considerar a produção visual (recente ou não) e problematizar constrangimentos classificatórios e modelos teóricos fundados por teorias que se pretendiam objetivas. A ordem epistemológica desse retorno, em ambos os âmbitos parece questionar o próprio discurso historiográfico da arte em sua consideração da imagem e do tempo, pensados a partir de diálogos transdisciplinares abertos pela obra de Warburg (e de estudiosos warburguianos). Um bom exemplo da atual recepção do pensamento de Warburg encontra-se nos estudos ibero-americanos sobre arte colonial. Mais do que isso, trata-se de considerar a abertura desse retorno face à consciência de uma inquietação, algo que poderíamos chamar de uma ausência fundamental: uma dúvida constituinte do próprio regime discursivo dessa disciplina quando ela assume a insistente perturbação que, de fundo, seria provocada pela região intervalar entre o objeto de investigação, a natureza de sua escolha e o próprio historiador da arte, que interdita narrativas totalizantes. Contudo, ao explorar os extensos âmbitos mencionados, respeitando-se as diversidades de cada um, impõe-se refletir sobre a fertilidade e a potência política do pensamento warburguiano, no que concerne às lógicas de aproximação ou associação de imagens, de obras, de referências artísticas e culturais em curadorias de exposições de coleções e acervos de arte já constituídos e em constituição, dos trânsitos e migrações de imagens de diferentes épocas e contextos em outras constelações, antes impensáveis, que doam às próprias imagens renovados sentidos em diferentes áreas.

Prazo de submissão: 30 de maio de 2020.

 

The return to Aby Warburg in the current discourse of Art History

The extensive referencing of Aby Warburg’s writings in current Art History investigations is emblematic of an increasing return to theorists and art historians from the beginning of the 20th century. This is manifest in at least two different areas. On the one hand, some scholars are looking to these earlier theoretical and methodological assumptions as part of an epistemological revision of Art History that enquires into the possibility of knowledge (or non-knowledge) of Renaissance culture. This approach engages with the diversity of Renaissance culture and its gaze upon Antiquity, understanding temporality as a complex and fluid phenomenon. On the other hand, a research stream emerging in Modern and Contemporary Art poses new questions that dislocate meaning and operational concepts and disrupt the categories of analysis used to consider visual production (recent or not). By means of these questions, classificatory constraints and theoretical models founded on supposed objectivity have been newly problematized. The epistemological nature of this return to early 20th century scholarship within these two areas questions the traditional historiographical discourse on art and its considerations of images and time, and naturally leads to interest in the transdisciplinary work of Warburg (and the Warburgians). A good example of this is the current reception of Warburg’s thought in Ibero-American Colonial Art studies. Within this return to Warburg exists, however, a kind of intellectual anxiety rooted in an emerging consciousness of a fundamental absence: a sort of doubt that arises for historians today out of the interstice between the object of investigation, the nature of its choice, and the art historian’s self-consciousness that rejects totalizing narratives. In exploring the extension of the spheres mentioned, therefore, one should reflect on the fertility but also the political potency of Warburg’s thinking in terms of its logical approximation and image association of artworks, cultural and artistic references within existing curated exhibitions and art collections, as well as in the new constitution of transiting and migrating images. Above all, however, the unexpected jumping of visual motifs throughout centuries, the fluidity of contexts and meanings, the previously unconsidered constellations of texts and artworks that emerge from renewed forms of this approach, drawing from Warburgian studies, allow us to expect promising contributions in these areas. 

Submission deadline: May 30, 2020.

Organizadores: Vera Pugliese (Universidade de Brasília); Roberto Casazza (Universidad Nacional de Rosario)

 
Publicado: 2020-01-27
 

Chamada para dossiê – Call for Papers

 

Arte abstrata no Brasil: novas perspectivas

Nas últimas décadas, a experiência de abstração brasileira do segundo pós-guerra tem sido objeto de uma ampla atenção internacional. Sobretudo no que diz respeito à pesquisa no exterior, esta voltou-se para a originalidade e o papel de artistas ligados ao grupo neoconcretista do Rio de Janeiro nos anos 1950 e início da década de 1960, através de nomes como os de Lygia Clark e Hélio Oiticica. Entretanto, novos estudos estão ajudando a reconstruir uma realidade bem mais complexa, que envolve estudos em torno de outras vertentes e grupos que experimentaram com linguagens abstratas geométricas e não-geométricas em meados do século 20 no Brasil, incluindo práticas figurativas teorizadas em relação à abstração. Este dossiê pretende reunir artigos e ensaios que reavaliem as experiências com linguagens abstratas, em face de sua recepção pelos artistas, pela crítica de arte, pelos colecionadores e pelas instituições artísticas brasileiras e estrangeiras que contribuíram para sua ampliação. Para tanto, será importante considerar as especificidades do caso brasileiro, bem como suas relações com outros projetos modernistas do país entre os anos 1930 e 1960.

Prazo de submissão: 30 de setembro de 2020.

Organizadoras: Ana Magalhães (Universidade de São Paulo) e Adele Nelson (Universidade do Texas em Austin)

 

Abstract Art in Brazil: New Perspectives

Over the last several decades, the history of postwar Brazilian abstraction has been the object of wide international attention. Especially with regard to research abroad, it has centered on the originality and role of artists linked to the Neoconcrete group in Rio de Janeiro in the 1950s and beginning of the 1960s through figures like Lygia Clark and Hélio Oiticica. However, new studies are helping to reconstruct a far more complex reality, by focusing on other trends and groups that experimented with geometric and non-geometric abstract languages in the middle of the twentieth century in Brazil, including figurative practices theorized in relationship to abstraction. This dossier intends to bring together articles and essays that reassess the experiences with abstract languages, in view of their reception by artists, art critics, art collectors and art institutions, in Brazil and abroad, that contributed to their visibility. Therefore, it will be important to consider the specificities of the Brazilian case, as well as the relations of abstraction with other modernist projects in the country between the 1930s and 1960s.

Submission deadline: September 30, 2020.

Organizers: Ana Magalhães (University of São Paulo) and Adele Nelson (University of Texas at Austin).

 
Publicado: 2020-01-27
 
Outras notícias...